Você sabia que 28 de maio é o dia internacional da higiene menstrual?

Pois é! Essa data foi estabelecida em 2014 pela ONG alemã WASH United, e tem o objetivo de promover a educação de meninas e mulheres e mostrar a importância de se realizar uma boa higiene durante o período menstrual. Assunto que ainda é um grande tabu na nossa sociedade.

Por Isabela Cucolicchio Rodrigues

Infelizmente, é muito normal para nós mulheres, termos vergonha do nosso período menstrual. Principalmente quando adolescentes, na escola, fazemos de tudo para esconder nossos absorventes, remédios para cólica e tudo pra ninguém ver que estamos menstruadas, como se menstruação fosse sinal de fraqueza e vergonha, quando é um dos acontecimentos mais naturais para uma mulher.

A sociedade banaliza e desvaloriza, e nós mulheres precisamos nos colocar na frente e mostrar que isso não nos faz mais fracas que ninguém, muito pelo contrário!

Essa desfeita com o ciclo biológico tem trazido diversas consequências para sociedade em diversos lugares no mundo, como por exemplo:

somente no Quênia, cerca de 50% das meninas em idade escolar não têm acesso a produtos de higiene menstrual. Enquanto isso, na Índia 23% das meninas param de frequentar a escola quando começam a menstruar.

Esse fenômeno é chamado de pobreza menstrual, e afeta milhões de mulheres ao redor do mundo.

A pobreza menstrual pode levar a muitos problemas, como infecções fúngicas ou bacterianas do trato reprodutivo e urinário. Meninas e mulheres com deficiências e necessidades especiais enfrentam desafios adicionais com a higiene menstrual e são afetadas de forma desproporcional pela falta de acesso a banheiros com água e materiais apropriados.

No Brasil, segundo o jornal Folha, quanto menor a renda, maior o número de mulheres que não têm acesso a produtos de higiene menstrual.

Entre as classes D e E, foram 33%. Na classe C, foram 27%. E no total, 30% das mulheres brasileiras já ficaram sem adquirir esses produtos em seu período menstrual. Além disso, 28% das mulheres brasileiras, já deixaram de ir pra escola, por falta de produtos de higiene menstrual, e tem medo de “incomodar” os outros.

E ainda segundo a Folha, o papel higiênico é o produto mais usado para substituir o absorvente. Pelo menos 80% já o utilizaram alguma vez. Em seguida está o pano, com 27%. Tecidos representam 24% e toalhas de papel são 23%. No Norte, o cenário é mais crítico. Os tecidos já foram usados por 53% das mulheres e toalhas de papel, por 44% delas. Essa falta de recursos pode gerar diversos problemas para a saúde.

Sabendo disso, as professoras e coordenadoras do KAJ, centro de arte em São Caetano do Sul, instituição parceira do Levante Sua Voz, propuseram uma arrecadação de produtos para ajudar todas as mulheres que necessitam. Para mais informações, conheça a página do KAJ no instagram:

imagem: campanha da P&G / Reprodução

E aqui fica uma curiosidade:

A data instituída como o Dia Internacional da Higiene Menstrual foi escolhida em consonância com a simbologia do ciclo menstrual: 28, a média de dias de um ciclo, e mês 5 por conta da média de dias de cada ciclo.

Ver +

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *