Vacina para todos e retomada do auxílio emergencial

O Brasil não teve carnaval e não tem investimento em políticas públicas para enfrentar a pandemia. A pandemia não acabou e o que resta é a mobilização. Conheça duas ações

Por Paulo Cruz (ara)

Fevereiro acabou e no Brasil não houve carnaval. A rua estava vazia e no rosto do povo faltou alegria; e o que passava antes em todos os jornais já foi engolido pelo “desinteresse público” do assunto e a desatualização dos fatos, coisa típica da grande mídia brasileira que só defendem seus próprios interesses.

A dispersão que eu vi foi apenas das vacinas que não chegaram a todos e as marchinhas com tons de alegria são abafadas pelo silêncio dos que sentem fome.

Frente a situação trágica da pandemia, a falta de atuação direta do poder público no combate aos efeitos da covid-19 no país sem campanhas de vacinações e sem retomada do valor integral do auxílio emergencial mobilizam Manifestantes a saírem às ruas por comida e por vacina.

Essa mobilização faz parte das ações de vários setores da sociedade civil, entre elas a Coalizão Negra por Direitos que também escreveu uma Carta da Coalizão Negra Por Direitos_ Auxilio Emergencial exigindo comida, acesso às vacinas para todos e retomada do auxílio emergencial.

Se você quer fazer parte dessa corrente, se liga na plataforma Auxílio até o fim da pandemia!, uma plataforma que reúne assinaturas de pessoas e entidades civis para cobrar a volta do auxílio emergencial. 

Mas abre o olho que os caras são piolho, vai vendo a chantagem: colocaram no debate que, para retomar o auxílio emergencial o custeio será retirado de verbas do investimento na saúde e na educação, isso porque a PEC Emergencial 186/19  prevê a retirada do teto mínimo de investimento na saúde e na educação.

Uma PEC inconstitucional que nesse tempo de escuridão acende o alerta vermelho para o povo olhar e começar a cobrar os seus representantes políticos.

Aí mandrake, povo da luta, povo santo,  MC ‘s, artistas e trabalhadores: política pública precisa ser pro povo, com o povo e permanente, por isso se faz necessário abrir os Caminhos para a Renda Básica Permanente.

Essa carta faz parte de uma campanha organizada por entidades civis e representantes do povo no Congresso Brasileiro, que retomaram a discussão da  Renda Básica que Queremosuma renda de caráter permanente e que não retire as políticas de proteção social e os direitos que já foram conquistados, que começa ampliando políticas como o Bolsa família, o Sistema único de saúde (SUS), Sistema único de Assistência Social (SUAS) e o investimento em educação que foi aprovado com o novo Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (FUNDEB).

Enquanto esperamos pela vacina e pelo auxílio, lembrem-se que a pandemia ainda não acabou e que ainda não temos vacinas para todos. Se for sair, a melhor segurança que temos ainda é o uso de máscaras e lembrar de lavar as mãos com água e sabão sempre que for possível.

Vacinacao de profissionais da saúde no Centro de Convivência do Idoso da Cidade Nova, Padre Vignola em Manaus com a Coronavac (Foto Raphael Alves/Amazônia Real)

arte em fundo branco. na esquerda, linhas finas coloridas e a foto de um jovem usando camiseta rosa.

Ver +

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *