Uma pausa dos humanos? As mudanças que vemos podem não ser tão boas quanto esperávamos

Nos últimos meses, vimos a natureza revivendo e ocupando ruas vazias, mas a situação ambiental é tão boa quanto parece? Ao ficar em casa, reduzimos nosso impacto nas emissões de carbono, mas, infelizmente, isso não é suficiente para atingir a meta líquida de zero de emissões exigida até 2050. Felizmente, há algo que podemos fazer, mas você pode não gostar.

Por Veronica Wrobel

Traduzido por Daniele Savietto

Embora a maioria da população nos países ocidentais esteja confinada em suas casas, todos nós lemos artigos e vimos fotos da natureza tomando conta das ruas: águas claras em Veneza, golfinhos na costa da Itália, céu azul em Los Angeles e muitas espécies de animais em cidades desertas.

As pessoas pararam de voar, o número de carros nas ruas diminuiu drasticamente, muitas lojas não essenciais foram fechadas. Naturalmente, esperaríamos que as emissões de CO2 também diminuíssem drasticamente, certo? Infelizmente, isso está longe da realidade.

Como afirma a Agência Internacional de Energia, estima-se que as emissões de carbono caiam 8% este ano. Para colocar em perspectiva, é a maior redução já vista, maior do que qualquer outra redução anual após a Segunda Guerra Mundial, e 8% também é o declínio anual esperado para manter o aquecimento global abaixo dos infames 1,5 graus Celsius que a maioria de nós já ouviu falar até agora.

Para atingir a meta de zero emissões líquidas até 2050, precisaremos ter um declínio de 8% aproximadamente a cada ano, mas como podemos fazer isso? No nível pessoal, parece que estamos desistindo de muita coisa para esse declínio de 8% nas emissões. Então, de onde vêm os 92% restantes?

Ao ficar em casa, ainda estamos usando a mesma quantidade de eletricidade, estamos usando nosso amado Wi-Fi para trabalhar e para ficar conectado com nossa família e amigos, ainda estamos comprando, cozinhando e desperdiçando (!) A mesma quantidade de a comida e nossos hábitos de compra simplesmente mudaram de pessoalmente para on-line.


Embora pareça que estamos sacrificando muito, na realidade nosso comportamento mudou mas ainda mantemos o mesmo sistema e consumismo que tínhamos antes. E eu até argumentaria que alguns de nossos hábitos sustentáveis ​​foram deixados de lado durante esses tempos incertos. Veja o aumento da quantidade de plástico que estamos produzindo e usando agora por conveniência ou por medo de contaminação.

Foto: Il Giornale di Montesilvano / Reprodução

Vivemos em um mundo onde o problema real não é nosso comportamento pessoal, mas a maneira como o Sistema funciona. Um sistema composto de complicados mecanismos interdependentes que estão trabalhando e se desenvolvendo há décadas, visando um crescimento insustentável e ilimitado em um mundo de recursos limitados.

Mas não vamos resolver um problema apenas apontando os dedos. Hoje, você e eu temos uma escolha: podemos continuar culpando o Sistema e esperar que as grandes corporações resolvam essa crise OU podemos fazer algo a respeito. Mas eu aviso, a segunda opção será a mais difícil.

Até agora, ouvimos de cientistas e ambientalistas que precisamos economizar água diminuindo o tempo gasto sob o chuveiro, que precisamos diminuir o consumo de carne e desligar as luzes quando não as estivermos usando. Se você quiser dar um passo adiante, poderá se tornar vegetariano, carregar sua própria garrafa reutilizável e ser criativo na cozinha para evitar o desperdício de alimentos. Mas foi exatamente isso que nos trouxe onde estamos hoje: simplesmente não é suficiente.

Eu argumentaria que precisamos nos tornar “extremistas” e desconfortavelmente intencionais com tudo o que fazemos todos os dias. Sei que isso está longe de ser uma opinião popular, mas estamos em uma situação extrema que exige medidas extremas. Nos próximos meses, abordarei diferentes tópicos, falando sobre coisas concretas e impactantes que cada um de nós pode fazer para criar mudanças. Nosso futuro, o futuro da humanidade e o futuro do nosso planeta dependem literalmente da nossa próxima escolha. E o próximo. E aquele depois desse.

Imagem destacada:  siviaggia.it | Fonte: GettyImages

Este artigo foi originalmente publicado na Agência Jovem de Notícias Itália.

Ver +

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *