Turismo mundial: Devemos reduzir as emissões de carbono

Por Ana Nieves, da Fundación Por Causa Tradução / Traduzido Daniele Savietto

Durante o evento “Transforme o turismo para a ação climática”, realizado hoje na COP25, que está sendo celebrada em Madri, representantes dos governos da Espanha, França, Argentina e Seychelles, líder da Organização Mundial do Turismo, apresentaram o informe “transporte e emissões de CO2 no setor turístico ”.

Ovais Sarmad, que faz parte da cúpula da organização, disse que o setor de turismo “é uma locomotiva econômica” e que em 2018 representou os 10% do PIB mundial. Seja como for, a parte boa é a geração de milhões de empregos; entretanto, em termos de impacto climático, apresenta efeitos muito negativos: 8% das emissões de gases de efeito estufa.

O diretor executivo da OMC, Manuel Butler, reforçou as palavras de Antonio Guterres, o secretariado geral da ONU, que durante a cerimônia aberta da COP25 enfatizou o que a cúpula precisa: “chega de discursos que discutem as mudanças climáticas, chegou a hora de fazer planos para mudá-la”. O especialista diz que o desafio é que a área de turismo continue crescendo, mas reduzindo as emissões de carbono.

Para a embaixadora francesa Brigitte Collet, um setor responsável por um em cada dez empregos no mundo precisa se integrar à estratégia nacional. A França é o primeiro país turístico do mundo desde 1980, e sua representante disse que receber mais pessoas não deveria significar não aplicar o Acordo de Paris. Para ela, iniciativas como o One Planet, representam um exemplo de como implementar práticas de turismo socioambiental “essas práticas querem reverter o que fizemos até agora e passam a medir a economia para medir a sustentabilidade do setor”.

O arquipélago que forma Seychelles, situado no Oceano Índico, é um exemplo da beleza da natureza e de cultura, visitada por 350.000 turistas todos os anos que pretendem desfrutar dos recifes de coral e dos mares limpos. Mas, como disseram os representantes, isso pode desaparecer se eles não tomarem iniciativas resilientes e incentivarem práticas sustentáveis.

Segundo o secretário de turismo da Espanha, a indústria do turismo representa a principal área econômica no país, sendo necessário que continue crescendo, levando em conta a proteção do meio ambiente, a redução das emissões de CO2 e a sustentabilidade.

Os governos afirmam que agora querem trabalhar para desenvolver regras gerais de acordo com a Agenda 2030. Influenciado pela sustentabilidade econômica, social e ambiental. Eles pretendem liderar a mudança para “um novo turismo que não comprometa o mundo para as gerações futuras”. As informações apresentadas hoje, com a ajuda da interação encontrada no transporte, refletem a necessidade de incrementar os esforços para transformar o sistema atual. Segundo Butler, a COP25, deve servir para demonstrar que a área de turismo é comprometida.

Ver +

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *