Virada Cultural: Mesmo com problemas, o importante é que houve momentos de alegria e de arte

Por Jonathan Moreira, 15 anos, adolescente comunicador da Agência Jovem de Notícias, de São Paulo / Imagem: Divulgação Virada Cultural

DEPOIMENTO – No dia 19 de maio, último dia da Virada Cultural, fui à Praça da Sé para assistir, rir e se divertir com os shows de stand-ups, com a presença de grandes humoristas.

Quem estava como mestre de cerimônia da programação que acompanhei foi o humorista Rafael Cortez, chamando e apresentando os artistas do dia. O legal é que tinha gente de toda São Paulo no evento, inclusive um grupo de pessoas surdas que acompanhavam os shows com uma tradutora de Libras (língua brasileira de sinais).

A primeira atração a se apresentar foi o integrante da banda Pedra Leticia e humorista Fabiano Cambota, em seguida passaram pelo palco Gustavo Mendes (que faz imitação da presidenta Dilma Rousseff), Rogério Morgado, André Santi/Rafael Marinho, Paulinho Serra, Rafinha Bastos, Oscar Filho, Robson Nunes, Marcelo Marrom/Rodrigo Capella, Fabio Lins e Fabio Rabin.

Foi uma experiência inesquecível e uma grande honra prestigiar pessoas na qual eu me inspiro. Espero que São Paulo possa melhorar a cada ano na programação da Virada.

Erros, falhas, brigas, confusões, enfim, há em todo lugar e em um evento com o tamanho que é a Virada Cultural, isso não poderia ser exceção. O importante é que houve alegria e todas as coisas boas que eu aprendi com a maravilhosa arte.