Quem bate? E quem apanha?

Algumas reflexões sobre a atualidade das discussões e estudos sobre violências estruturais e a atuação dos profissionais de atenção primária Por Reynaldo de Azevedo Gosmão – As discussões e estudos sobre violências são históricas. Nesse texto irei propor algumas reflexões que não visam limitar a temática, pelo contrário, pretendo levantar mais a questão. Partirei de […]Ler mais

Racismo: o engajamento no todo e o engajamento no nada

Se o racismo não é aquilo distante, mas esses pequenos atos que perpetuamos em nosso cotidiano, precisaremos romper com essa radicalidade que é visada nos engajamentos coletivos e começar a sustentar práticas e ações que promovam a aproximação entre as lutas antirracista e os sujeitos, como diz o Emicida: “hei, olhe ao seu redor, camarada”. […]Ler mais

Deixa-me queixar estou com preguiça de viver

Em uma sociedade queixosa, temos por hábito terceirizar a nossa culpa, falta de amor, traições, inimizades, o estranho (heimlich)… Em um processo psicanalítico, tende-se a subverter esse jogo, ao passo que, o que se torna visível na repetição da nossa queixa demonstra uma marca subjetiva do sujeito, que podemos chamar de fantasia. Por Reynaldo de […]Ler mais