VISITE A EXPOSIÇÃO VIRTUAL “MEMÓRIAS DE UMA EPIDEMIA”

A parte 2 da exposição está disponível digitalmente, e reúne material de diversas organizações da sociedade civil que atuaram, ao longo de décadas, nas diversas frentes de enfrentamento à epidemia de HIV* – O Museu da Diversidade Sexual – MDS, instituição vinculada à Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, com gestão da […]Ler mais

Afinal de contas… sou uma mulher?

Como o racismo atua e se manifesta dentro do recorte de gênero. Por Ana Rosa Calado Cyrus, para a Revista Viração, edição 117 – Quando tenta-se conceituar o que é ser uma mulher, na maioria das vezes, nos referimos a padrões que foram estabelecidos pelo sistema hegemônico – branco, patriarcal – e há uma determinada […]Ler mais

Já disponível a versão digital da Revista – Manifesto Antirracista

A Revista Viração, produzida por adolescentes e jovens participantes dos projetos da organização,  chega a sua edição 117 falando sobre o racismo estrutural e suas implicações na sociedade, no meio ambiente, no mercado de trabalho, na segurança pública, no sistema de saúde, nas manifestações culturais, na educação, entre outros campos. – Pensar questões raciais em […]Ler mais

Qual o papel das pessoas brancas na luta antirracista?

Uma posição crítica à branquitude só pode partir do movimento de se entender enquanto pessoa branca, o que por si é um privilégio, mas de entender a posição de pessoa branca como a do privilégio social em diversas instâncias, que partem do não ser perseguido no mercado ao ter acesso facilitado a determinados espaços de […]Ler mais

5 autoras negras que você precisa conhecer

Geovana Nogueira, Júlia Cavalcante e Thamires Jabbur – O mercado editorial brasileiro segue majoritariamente masculino e branco. Autoras pretas brasileiras ainda são pouco publicadas por grandes editoras, seja nas obras literárias de ficção ou de não-ficção. A falta de espaço em grandes editoras e o racismo institucional que desvaloriza a produção intelectual da população preta […]Ler mais

“SE ESSA CAPA FOSSE MINHA”

Confira o resultado de um exercício educomunicativo que envolveu fotografia, literatura e representatividade neste ensaio que colocou jovens leitoras na capa de seus livros preferidos – O processo de construção das imagens surgiu através de três livros que marcaram nossa jornada no projeto Literatura e Direitos Humanos: Para ler, ver e contar, foram eles: Um […]Ler mais

Falar de sexualidade é tabu e a temática é censurada

Precisamos falar sobre sexo! E também sobre gênero, diversidade, entre outros temas que falamos pouco por serem tabu. Essas temáticas são pouco discutidas não apenas porque as pessoas não querem falar sobre elas, mas porque muitas vezes não podem. Por exemplo, se você é mulher cisgênero, está com cólica menstrual e reclama disso abertamente no […]Ler mais