A mídia estratégica e o dilema da migração jovem

Usando a mídia como um instrumento para intervenções, com meios simples é possível fazer grandes mobilizações para a conscientização da população. É isso que chamamos de Mídia Tática. Esse foi um dos vários assuntos abordados nas oficinas de mídia tática e pôster, num momento em que jovens debateram a importância das mídias como o rádio, a televisão, o computador e também as não tradicionais, como uma forma de transmitir as mais diversas mensagens, entre elas a indignação com a situação social de suas ruas, bairros, cidades, estados e até mesmo do país, enfim, como uma forma não tão convencional, mais objetiva, de “mandar o seu recado”, seja ele qual for.

Na oficina sobre confecção de pôster foi debatido um assunto que vem merecendo destaque: a migração de jovens para outros lugares. Cada vez mais, jovens aumentam as estatísticas da migração. Eles saem de suas cidades, principalmente quando é de interior, para chamadas “cidades grandes”, onde procuram oportunidades de um bom emprego e um futuro melhor.

Não tendo perspectivas de melhora de vida em suas cidades de origem, jovens se veem na “obrigação” de saírem dela. Entretanto nessa oficina, onde tantos jovens são de cidades interioranas e se percebem neste dilema, chegaram a conclusão que é possível construir uma história melhor dentro de sua própria cidade, mas é necessário políticas públicas para que isso se realize.

Correspondentes: Neltinha Oliveira Santos – Rede de Jovens Comunidores do Semiárido Mineiro e Renajoc; Silmara Aparecida dos Santos e Reynaldo de Azevedo Gosmão, do Virajovem Lavras e da Renajoc