Pesquisa demonstra que trabalho infantil é nefasto e inviável

Paolla Menchetti, de São Paulo | Imagem: Fundação Telefônica

Em uma sociedade baseada no desenvolvimento econômico, muitas vezes, por mais desumanas que sejam as circunstâncias, as mudanças só ocorrem quando existem interesses envolvidos. O economista Fernando Botelho, um dos expositores do IV Encontro Internacional Contra o Trabalho Infantil, afirmou que foi comprovado economicamente que a erradicação do trabalho infantil é mais benéfica que sua existência.

Ele, em conjunto com outros estudiosos, desenvolveu uma pesquisa sobre o impacto econômico e os desafios para inserção dos jovens no mercado de trabalho no Conesul.Em entrevista aos adolescentes comunicadores, apresentou dados que revelam que os custos para existência do trabalho infantil são de aproximadamente U$ 29 milhões, já os benefícios com sua erradicação são de U$ 77 milhões.

Porém, as empresas, muitas vezes por ignorância, mantém crianças e adolescentes trabalhando, por ser mão de obra barata e porque elas não reivindicam direitos. Além disso, para produzirem os produtos com baixos custos como os concorrentes, continuam utilizando o trabalho infantil como alternativa.