Adolescentes se reunirão para discutir direito ao esporte seguro e inclusivo

Por Patrícia Gonçalves

“Quem se contenta com o possível nunca constrói o que quer, pois fica preso aos limites da mediocridade”. – Betinho

No próximo dia 29, das 9h às 17h30, o Auditório do Centro Olímpico, na zona sul de São Paulo, será sede do I Encontro Paulistano de Adolescentes pelo Direito ao Esporte Seguro e Inclusivo. Os organizadores esperam presença de pelo menos 60 jovens lideranças, representantes de 15 organizações da sociedade civil e do poder público municipal. A proposta do encontro é estruturar a Rede Juvenil pelo Esporte (REJUPE) local, em São Paulo.

A Rede é uma iniciativa articulada pelo Fundo das Nações Unidades para a Infância (UNICEF) e o Instituto Internacional para o Desenvolvimento da Cidadania (IIDAC) no Brasil, com o objetivo de promover a integração e a participação qualificada de adolescentes das doze cidades sede da Copa do Mundo em 2014, em espaços de discussões sobre o esporte seguro e inclusivo.

A REJUPE surgiu em abril de 2011, após o Encontro Nacional dos Adolescentes pelo Direito ao Esporte Seguro e Inclusivo, realizado no Rio de Janeiro (RJ) pelo UNICEF em parceira com o IIDAC e Instituto Esporte e Educação (IEE), durante dois dias. Atualmente a rede é composta por 202 adolescentes e jovens de 11 Estados brasileiros.

De acordo com a Lei Pelé (nº 9.615/98) o esporte educacional está voltado para a formação integral do ser humano, sendo a prática esportiva não uma ferramenta, mas sim um fator de desenvolvimento global que promova uma leitura crítica do mundo em que o sujeito está inserido. Vale lembrar que, embora o desempenho motor não seja o objetivo central do esporte educacional, esta dimensão não desconsidera a importância de ensinar “bem” esporte. Complemento então com a célebre frase latina “mens sana in corpore sano” (mente sã em corpo são), que ilustra o fato de que o homem sempre sentiu necessidade de exercitar seu corpo para poder alcançar um equilíbrio psíquico completo.

E a REJUPE juntamente com seus futuros integrantes, quer garantir o direito ao esporte seguro e inclusivo às crianças e adolescente do país, para que possam se desenvolver com boa qualidade de vida, pois “assim como o conhecimento faz diferença no mundo em que vivemos, o movimento está em nossas vidas como uma necessidade vital do ser humano. Para as crianças e adolescentes, o esporte proporciona momentos ricos em sua aprendizagem. Ao praticar um esporte expressamos sentimentos, crenças, valores enfim nosso modo de sentir e perceber o mundo”.

Desde já, sinta-se convidado a fazer parte desta rede. Junte-se a nós!