Diversidade, Etnia e Educomunicação abre sessão de painéis no Encontro de Educom

Por: Gisele Gomes (RJ), da Agência Jovem de Notícias

O primeiro painel do IV Encontro de Educomunicação contou com a presença da professora Marta Lucia Isquierdo da Universidade da Colômbia, o professor Ricardo Alexino da NEID/USP, a professora Dilma de Melo do ECA/USP e NEID, e fechando a mesa de palestrantes, Paola Prandini da USP e também representante da Afroeducção.

O painel levantou diversas questões culturais, tanto afro-brasileira quanto indígenas,  e a importância destas culturas para a educação. Foram levantadas questões sobre as metodologias de ensino em escolas, universidades, até mesmo em outros países, como é exemplo da Colômbia, onde a forma de aprendizagem consiste em uma participação colaborativa, ativa no trabalho individual, mas também coletivo, como nos relatou a professora da universidade da Colômbia.

Ela destacou ainda a experiência que teve com os indígenas em um trabalho educacional realizado por ela, outros professores e alunos. “Foi um aprendizado para todos nós. Foi um exercício de falar e aprender, pois eles não falavam espanhol. ’’

Ricardo Alexino destacou que a Educomunicação é um desafio no sentido de se pensar uma nova forma de comunicação. E, em sequência, Dilma de Melo do ECA/USP,  destacou que se deve  pensar e discutir a importância da escola na introdução da diversidade quanto a formação e educação dos alunos, e completou: “É preciso que os professores, pais se mobilizem para a desigualdade no país. Temos uma dívida com os negros que aqui foram escravizados”.

E, concluindo a apresentação deste primeiro painel, Paola Prandini deu uma pequena introdução sobre o Afroeducação, que é uma consultoria onde são produzidos projetos culturais com destaque educacional, tendo como foco a afrobrasilidade. E concluiu sua fala reforçando o discurso dos outros participantes da mesa dizendo: “Vivemos em um país onde sua população é negra. Portanto, merece ter sua identidade visual.”