O clamor da juventude

 

Combustíveis Fósseis = Não, não podemos!

Por Daniele Savietto, da Delegação Jovem do Brasil na COP19*

 

Tendo como objetivo discutir a participação da juventude dentro dos processos de negociação, aconteceu hoje o Intergeneration Inquiry, que contou com a participação de Christina Figueres, secretária executiva da UNFCCC, para responder questões e exigências dos jovens presentes na COP19.

Enquanto muitos repetem um discurso infundado afirmando que a juventude não se preocupa e não se envolve com nada, jovens do mundo inteiro estão aqui, apesar de todas as dificuldades, para gritar ao mundo: nós nos importamos, estamos aqui para ser ouvidos, queremos participar das decisões e mais do que isso, realizar ações efetivas, não decidam o futuro das gerações sem ouvir nossa voz.

Com uma abertura inspiradora realizada pela delegação jovem do Brasil, juntamente com jovens de várias partes do mundo, uma prévia do Flash Mob que acontecerá no próximo sábado foi apresentada, chamando a atenção para os problemas relacionados à extração de combustíveis fósseis de maneira lúdica e criativa, coragem de inovar que toda juventude carrega no coração.

O discurso foi intenso e inspirador, onde afirmaram que não querem viver em um mundo onde empresas e corporações são mais importantes que seres humanos, com pessoas que negociam e decidem sem saber o que os jovens esperam, sonham,  quais suas ideias e as maneiras que podem contribuir.

O desejo é participar do processo e não apenas serem informados sobre as decisões, pensar em soluções conjuntas . E mais, querem levantar sua voz para aqueles que ainda não sabem o que realmente está acontecendo.

As nações precisam confiar na capacidade da juventude, oferecer oportunidades onde realmente possam se expressar, criar um sistema onde todas as gerações estejam representadas.

Em meio a tantas questões e emoções, Christina Figueres respondeu dizendo que não gostaria de falar como secretária da UNFCCC, mas como mãe e mulher, extremamente frustrada com toda situação, mas sem deixar que essa frustração limite sua batalha.   Enfatizou que o papel da juventude é continuar pressionando, e que, apesar do dela ser diferente, garantiu que estão indo para o mesmo lugar, buscando uma transformação como o mundo nunca viu. Disse ainda que seu sonho é um mundo onde todos tenham acesso à energia limpa, água potável, onde as casas possam gerar sua própria energia, ressaltando que a qualidade da energia determina a qualidade das vidas futuras.

Apesar das belas palavras, em certa altura do discurso Christina Figueres tentou sensibilizar os jovens através da culpa, dizendo que é a geração que mais gastou energia na história da humanidade e que muitos jovens são alienados e inconsequentes. Esse ponto de vista desconsidera o momento em que estes jovens nasceram e a maneira que foram criados, a culpa não pode ser transferida.

Esperamos que a intenção de envolver a juventude nos debates e decisões atravesse o discurso, que a responsabilidade pelos danos ambientais, como a mudança climática, seja assumida e que a prática seja imediata. Como juventude nosso grito é urgente e não vamos desistir!

 

*A Delegacão Jovem do Brasil na COP19 é composta pelas organizações: Aliança Mundial das ACMsEngajamundo,
Federação Luterana Mundial Viração Educomunicação.