Jovens discutem prevenção do consumo de álcool antes dos 18 anos

|Ethel Rudnitzki, da redação

A gente sabe, tá escrito em todo lugar: é proibido consumir bebidas alcoólicas antes dos 18 anos. Mas afinal, por que não é legal beber antes dessa idade? Pra muita gente a única explicação é a Lei. Mas, na verdade, a Lei só existe porque há razões importantes para evitar que adolescente bebam. Parece igual, né? Tipo aquela discussão que ninguém aguenta mais: quem nasceu primeiro foi o ovo ou a galinha? Mas na real isso faz toda a diferença. A Lei existe para proteger crianças e adolescentes dos males que o consumo do álcool pode causar nessa fase da vida.

Há pesquisas que comprovam que quanto mais cedo acontece o contato de crianças ou adolescentes com álcool – seja só aquela bebericada para provar, seja o uso regular – maior a chance de consumo problemático e dependência quando adultos.

Além disso, na adolescência o sistema nervoso central [responsável por receber e processar informações] ainda está em fase de desenvolvimento e o álcool pode prejudicar seu amadurecimento normal e causar alterações na formação de personalidade. O consumo de bebidas alcoólicas também pode prejudicar a memória e a capacidade de atenção comprometendo a aprendizagem.

Tudo isso foi discutido por adolescentes e jovens, junto com especialistas e educadores no primeiro Seminário Internacional “Olhares sobre as Juventudes e o uso indevido de álcool”, no dia 6 de dezembro de 2016, organizado pela Ambev. Numa oficina pra lá de animada do coletivo “Na Responsa”, os jovens discutiram mitos e verdades sobre o álcool. Aliás, você sabia que, ao contrário do que a maioria das pessoas acha, o álcool atua no corpo como depressor e não como estimulante? Foi uma surpresa pra muita gente! A garotada discutiu os efeitos do álcool, especialmente, quando consumido ainda na adolescência, por meio de atividades educomunicativas, como um jogo de mímica, uma espécie de trava línguas e dinâmicas entre pares.

Padrões sociais que naturalizam o consumo de bebidas alcoólicas e até o incentivam, especialmente, entre homens, foi debatido também. Muitos adolescentes bebem para parecerem descolados, para serem aceitos na turma, pra se livrarem da timidez, pra desafiarem os limites. E, muitas vezes, ninguém vê problema em deixar um adolescente tomar um copo de cerveja ou experimentar a champanhe na ceia de natal. Mas, como citado acima, dessas práticas podem nascer males irreversíveis.

O professor e psicólogo social, John McAlaney, explicou que para evitar o consumo de álcool entre os jovens, é preciso mostrar que a bebida não é uma norma social. No Brasil, menos de 10% dos adolescentes consome álcool toda semana e cerca de 65% são abstinentes, mas grande parte dos jovens acredita que a maioria das pessoas nessa faixa etária bebem. Para McAlaney, essa percepção distorcida influencia os jovens a beber, pois é muito difícil fugir das normas sociais que acreditamos existir. Assim, seria preciso mostrar que o normal é não beber e que é comum se divertir sem álcool para reduzir o consumo de álcool entre adolescentes e jovens.

O seminário cumpriu essa função. No final, a galera chegou à conclusão que é super possível se divertir bebendo suco, água de coco, refrigerante. E quanto mais retardar o início do consumo de bebias alcoólicas, melhor.