“Se queremos uma cidade sustentável temos que acabar com a corrupção” (em português e inglês)

Por: Evelyn Araripe

Um dos pontos altos do Fórum de Empreendedorismo Social na Nova Economia, que aconteceu entre os dias 15 e 17 de junho no Forte de Copacabana, foi a presença de Boaventura de Souza Santos no painel “Cidades Sustentáveis: oportunidades para os empreendedores sociais”. O sociólogo português listou dois pontos fundamentais para a construção de cidades sustentáveis: o envolvimento sustentável e os políticos sustentáveis. Segundo ele, “o mercado econômico influenciou os políticos, que passaram a defender interesses econômicos e privados, agindo de maneira corrupta. Político corrupto não é político sustentável, portanto, se queremos  uma cidade sustentável temos que acabar com a corrupção”.

Sob muitos aplausos, Boaventura também enfatizou a importância do envolvimento sustentável. “Não existe desenvolvimento sustentável sem envolvimento sustentável”. Para ele as cidades estão em um momento que precisam cultivar os tempos lentos, que ele define como o tempo de convivência, o tempo do diálogo, o tempo do encontro. “É o tempo do campo. As cidades que quiserem ser as cidades do futuro terão que saber conciliar o tempo rápido do trabalho com esse tempo lento”.

 

In English

If we want a sustainable city we have to end corruption

Evelyn Araripe

One of the highlights of the Forum for Social Entrepreneurship in the New Economy, which happend between 15th and June 17th at the Copacabana Fort, was the presence of Boaventura de Souza Santos at the panel “Sustainable Cities: opportunities for social entrepreneurs.” The Portuguese sociologist listed two key points to build sustainable cities: the sustainable involvement and the politician sustainable. According to him, “the market economy influenced the politicians who have embraced private economic interests and, acting corruptly. Politician corrupt is not politician sustainable, so if we want a sustainable city we need to ending corruption.”

In many plaudits, Boaventura also emphasized the importance of sustainable involvement. “There is no sustainable development without sustainable involvement.” For him the cities are in a moment that must cultivate the slow times, which he defines as the time together, time for dialogue, the time of the meeting. “It’s the time of the field. Cities that want to be the cities of the future will have to learn to reconcile the fast time of working with this slow time.”

Evelyn Araripe é jornalista e educadora ambiental. Foi educomunicadora na Viração Educomunicação entre 2011 e 2014. Atualmente vive na Alemanha, onde é bolsista do programa German Chancellor Fellowship for tomorrow’s leaders e administra o blog Ela é Quente, que conta as histórias de vida de mulheres que estão ajudando a combater os efeitos das Mudanças Climáticas ao redor do mundo.

Ver +

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *