Congresso de Prevenção às DST/aids: Se liga na camisinha


Adolescentes e jovens ganham uma “aulão” sobre o uso, importância e tabus em torno da a camisinha

 

Por Webert da Cruz Elias (DF) e Luiz Felipe Bessa (PE), da Agência Jovem de Notícias

O espaço “Por Dentro da Camisinha” foi montado, no IX Congresso de Prevenção das DST e Aids, com uma metodologia descontraída, interativa e de fácil compreensão sobre  uso da camisinha. A ideia é entrar no preservativo e transformar a prevenção com camisinha em um diálogo divertido e nada careta. Criada pelo Instituto Kaplan, a intervenção promove o conhecimento sobre as DST e desmistifica tabus e preconceitos em relação ao uso da camisinha.

“Muito se fala da necessidade do uso do preservativo, mas pouco sobre sentir prazer com ele. A Camisinha não tem que ser uma obrigação, ela é uma coisa gostosa” confirmou Tâmara Petric, palestrante da exposição.

Tabus como chupar bala com papel, camisinha aperta, é pequena, é grande são caretices ultrapassadas. A camisinha começa a ser olhada não como um incomodo, mas como uma parceria divertida.

A respeito da diversidade de público na exposição, não existe um tratamento diferenciado. “O diálogo é o mesmo para todo mundo, porque a necessidade é a mesma. A prevenção tem que acontecer, não importa pra quem, não importa com que idade, não importa gênero, com que tipo de relação”, relatou a orientadora.

Etapas da exposição

O espaço lúdico começa com um jogo sobre como as pessoas estão vulneráveis às bactérias e vírus se não houver proteção. Depois disso entra-se em uma camisinha gigante para exemplificar que com o uso do preservativo não tem  como os vírus e bactérias chegarem até o corpo.

Depois acontecem experimentos, todos viram testadores de qualidade das sensações da camisinha. Os palestrantes ensinam como colocar a camisinha da forma correta.  Sente-se a sensibilidade. Participantes vestem a camisinha na mão e passam por um experimento de colocar a mão em um buraco onde acontecem estímulos como sopro, caricias, aumento da temperatura, cócegas para as pessoas perceberem que dá para ter a mesma sensibilidade com a camisinha.“Então não é chupar bala com papel, é abrir mão de todos os tabus e sentir prazer, vai ser legal” disse Tâmara.

Também acontece uma aula sobre como colocar a camisinha feminina. “Apesar de ser ainda é pouco divulgado, o preservativo femino é muito importante porque as meninas possuem um poder muito maior sobre o corpo. A gente acredita que garotas têm que aprender a colocar a camisinha masculina, tem que ter acesso a isso, mas esquecemos que também o uso do preservativo feminino possibilita um embalo muito maior, é o empoderamento mesmo” afirmou a palestrante.

Vania Correia

Ver +

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *