“SE ESSA CAPA FOSSE MINHA”

Confira o resultado de um exercício educomunicativo que envolveu fotografia, literatura e representatividade neste ensaio que colocou jovens leitoras na capa de seus livros preferidos

O processo de construção das imagens surgiu através de três livros que marcaram nossa jornada no projeto Literatura e Direitos Humanos: Para ler, ver e contar, foram eles:

Um defeito de cor, de Ana Maria Gonçalves, que retrata a escravidão de forma clara e objetiva sem romantizar ou modificar os acontecimentos do passado;

Sejamos todos feministas, de Chimamanda Ngozi Adichie, um famoso discurso que fala sobre como o feminismo deve ser uma luta de todas as pessoas;

Meu crespo é de rainha, de bell hooks, que exalta a beleza de cabelos crespos e cacheados, ensinando as crianças – e pessoas mais velhas também – a amarem seus cabelos.

Ao escolhermos esses livros para fazer uma releitura de suas capas, queríamos retratar o empoderamento feminino, a desigualdade de gênero e a escravidão – mostrando de forma explícita e impactante nossas perspectivas sobre essas grandes obras, escritas por grandes autoras.

TEXTO: Duda Pimentel, mediadora da Biblioteca comunitária Ademir dos Santos

CRÉDITOS DAS FOTOS

IDEALIZAÇÃO: Lizandra Stephany Santana Santos, Maria Eduarda Pimentel de Almeida, Natalia Milagre Elias e Vanessa Nunes Pereira 

MODELOS: Maria Eduarda Pimentel de Almeida, Natalia Milagre Elias, Vanessa Nunes Pereira

FOTOGRAFIA: Gabriel Razo 

Virajovens de São Paulo (SP).

Este conteúdo foi originalmente publicado na Revista Viração, Edição 116. Todas as edições da Revista Viração podem ser acessadas digitalmente na plataforma Issuu.

Ver +

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *