Neuroscientists with a giant chart of human brain and a heart icon

Saúde mental e pandemia

Não nascemos prontos e acabados, precisamos do risco, das incertezas e dos erros como base para conhecimento de si e do mundo, a vida economizada é aquela que não permite a criação.

Por Reynaldo de Azevedo Gosmão

Há alguns estudos que dizem que a pandemia tem levantado uma onda de transtornos psicológicos, homens, mulheres, crianças, adolescentes, jovens e idosos tiveram suas vidas brutalmente alteradas.

Algumas pessoas fazem correlação entre as incertezas como gatilho para as ansiedades, depressão e outros transtornos, e vão além, em dizer que teremos um “novo normal”, que implicará novas formas de relacionar com outro, e inclusive teremos que questionar como estar no mundo.

Diante disso, eu irei problematizar que novo normal é esse que projetamos no futuro? E se em alguma época da nossa sociedade é possível depreender uma sociedade regular, habitual e comum?

De forma generalista, a resposta é não: a sociedade, assim como a lógica democrática, é forjada em contradições, rompimentos, instabilidades o que torna as nossas vidas sempre em um processo de apuração de novos sentidos, inacabada. 

Talvez, o que tenha tomado mais visibilidade são as incertezas. O que antes estava estipulado, padronizado e planejado, como uma viagem, festa, cursos, entre outros projetos se tornaram impossibilitados e outros tomaram outros formatos, como as vídeo aulas, ou eventos que se transformaram em lives. 

E o que era dado socialmente é que a felicidades viria com a realização de projetos, participação em festas, ou a realização de atividades em determinados prazos, e possivelmente, neste momento estamos compreendendo que a felicidade, bem como a saúde mental não está nas coisas, mas na forma de se relacionar com o mundo. 

Como significação da palavra RISCO, podemos depreender: o risco de estar em perigo, e o risco que criam marcas, um desenho, uma criação! O risco como perigo, muitas vezes é tomado como sinal de impotência, “naquilo há um perigo, melhor não fazer”.

Em Freud a condição humana é forjada na castração, ou seja, a falta é para todos, e por sermos faltosos as incertezas são presentes.

Geralmente confundimos a falta, a impossibilidade, com a impotência, usando o risco como forma de proteção, evitação e principalmente para manter os ideais que entram em “choque” ao lidar com a realidade. 

Como não nascemos prontos e acabados, precisamos do risco, das incertezas e dos erros como base para conhecimento de si e do mundo, a vida economizada é aquela que não permite a criação.

Devemos ficar atentos para não reduzirmos a nossa existência ao mundo por vias de simulacros, que evitem a criação, porque flores de plástico não morrem já são criadas sem vida!

Imagem: Tonik on Unsplash

Imagem destacada: Conselho Nacional de Saúde

Ver +

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *