“Restinga e Mangue ficam!”

Em seu primeiro texto para a AJN, jovem de Pindamonhagaba lembra a importância da petição a favor da proteção de ecossistemas costeiros

Por Larissa Carneiro

A petição “Restinga e Mangue ficam!”, assinada pela rede de ativismo Nossas e por mais 18 organizações, luta contra a Resolução 500/2020 do Conselho Nacional do Meio Ambiente, que facilita a degradação do manguezal e da restinga, dois ecossistemas do bioma da Mata Atlântica.

Tal resolução revoga algumas determinações, como as que garantiam proteção às vegetações litorâneas e outras áreas no entorno de reservatórios d’água, que amenizavam o desperdício de água nas irrigações. 

Felizmente já tivemos a primeira vitória: a ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal, suspendeu provisoriamente essas revogações. Entretanto, essa medida só será válida até o julgamento do caso no STF, que ainda não tem data marcada.

Foto de uma senhora de cabelos curtos e loiros, usando óculos, brincos e colar, sentada numa cadeira marrom e usando roupas e capa pretas.
Ministra Rosa Weber (Foto 1:  Carlos Humberto/ SCO STF)

Garantir a preservação dos nossos ambientes costeiros é extremamente importante, pois além das funções ecológicas, a restinga impede a erosão de praias e de dunas de areia, e o manguezal é como um berçário para a vida marinha, já que apresenta condições ideais para a reprodução e o desenvolvimento de muitas espécies – inclusive as que interessam a pescadores e comerciantes.

Imagem mostra a paisagem de região de praia. Céu com nuvens, mar com ondas, faixa de areia e mata.
Restinga na praia da Jureia, em Iguape, SP (Luciano Faustino, via Wikipedia)
Imagem mostra paisagem natural da região de manguezal. árvores que nascem em solo com água e raízes para fora da terra.
Mangue-vermelho na Bahia, Brasil (Jonathan Wilkins, via Wikipedia)

Podemos unir forças e pressionar o STF a anular a resolução 500/2020, basta assinar a petição acessando aqui. Essa é uma possibilidade simples de defender nossa fauna e flora dentro de nossas casas.

Para entender melhor a discussão

Ver +

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *