#QuarentenaNaQuebrada, parte 2: o isolamento pelo olhar das juventudes periféricas

Assista a segunda parte da série de vídeos-selfie com jovens de São Paulo contando como está o isolamento na sua quebrada

– 

Por Monise Berno

A medida que a pandemia de coronavírus se espalha pelo Brasil, as desigualdades vão sendo escancaradas e, num país de dimensões continentais, as populações de cada território precisam agir de formas diferentes para aplicar as orientações de prevenção e combate à Covid-19, ao mesmo tempo em que buscam lidar com os efeitos do isolamento social.

Que tipos de ações estão sendo implementadas no teu bairro para conter o avanço do coronavírus? Como você vem lidando com a rotina? Como você está se sentindo diante dessa nova realidade?

Estas foram algumas das perguntas que a equipe de educadoras da Viração Educomunicação direcionaram à jovens de alguns bairros da região sul de São Paulo.

Eles responderam em pequenos vídeo-selfies, que podem ser vistos a partir de hoje na série #QuarentenaNaQuebrada, disponível aqui no site e nos canais da Agência Jovem de Notícias nas redes sociais.

Essa semana compartilhamos mais quatro depoimentos. Assista:

A Rayssa Nunes da Silva tem 15 anos e fala de Paraisópolis. Ela contou pra gente um pouco sobre as ações que estão sendo implementadas na sua comunidade para o enfrentamento da pandemia. Ela manda seu recado: é papel de todos ajudar na conscientização e ficar em casa, sempre que puder.

Rayssa Nunes da Silva, de 15 anos, moradora de Paraisópolis/SP

O Francisco, de 13 anos, é morador da região do Grajaú. Apesar de manterem contato por meios digitais, para ele, está difícil segurar a saudade de encontrar os amigos pessoalmente.

Francisco, 13 anos, do Grajaú

“Um verdadeiro mix de sentimentos.” Assim definiu o Luciano Leão, que tem 17 anos e mora no Grajaú. Ele falou sobre as sensações conflitantes que tem experimentado durante o isolamento social e que tem buscado distração usando o celular e assistindo televisão.

Luciano Leão, 17 anos, morador do Grajaú

Já para a Maria Carolina, jovem de 19 anos moradora do Jardim Iracema, o principal sentimento é a ansiedade que vem da grande quantidade de informações sobre o coronavírus. Ela conta que está refletindo muito e investindo o tempo livre para manter contato com as pessoas próximas.

Maria Carolina, 19 anos, moradora do Jardim Iracema

Semana que vem tem mais depoimentos da galera em #QuarentenaNaQuebrada! Perdeu a primeira parte? Clique aqui e assista os primeiros três vídeos da série.

Ver +

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *