Papo com lobista de indústrias: o outro lado da negociação

Evelyn Araripe, da Agência Jovem de Notícias

 

Como funciona uma negociação de clima? De um lado você tem os governos tentando (frustradamente) criar um documento conjunto que determina como reduzir ao máximo os impactos que poderão ser causados pelas Mudanças Climáticas; do outro você tem variadas representações da sociedade civil defendendo as suas ideias e ações para garantir que o acordo seja justo para o seu setor. No entanto, no meio desse bolo todo chamado “sociedade civil” nas negociações nós temos as indústrias, que terão as suas atividades impactadas de acordo com o que for definido na Conferência ONU sobre o Clima (COP).

A Agência Jovem de Notícias conversou com Joachim Hein, representante das indústrias da Alemanha pelo BDI (Bundesverband der Deutschen Industrie). Joachim conta como eles constroem posicionamentos, a preocupação com as Mudanças Climáticas, a responsabilidade das indústrias e as dificuldades em aderir e implementar o que é proposto pelos governos.

O BDI é uma representação das associações de indústrias dos mais variados setores na Alemanha. Por isso mesmo Joachim explica que é muito difícil construir um posicionamento que represente a visão de todos. Ao longo do ano, eles realizam encontros e montam grupos de trabalho para, no final, criar um documento com pontos importantes para a indústria desse país e trazem isso para as negociações do clima para defendê-los.

“Muita gente acha que as indústrias não se preocupam com Mudanças Climáticas, mas é claro que elas se preocupam, isso interfere na maneira como elas vão produzir e existir”, diz. Porém, ele argumenta que o mais comum é as pessoas jogarem a responsabilidade para as empresas, mas sem nenhuma proposta efetiva de como essa transição para um modelo sustentável de produção seja implementado ou financiado. “Por exemplo, a proposta de 100% de energias renováveis até 2050. É possível? Claro que é possível. Se tiver investimento é possível. Mas como investir? De onde virá o dinheiro? Como será implementado? Como fazer os custos serem eficientes? São muitas questões por trás disso”, defende.

 

Como representante do setor industrial alemão, Joachim também explica que o seu País já tem uma legislação ambiental muito rigorosa, o que faz com que as indústrias já se apliquem a modelos sustentáveis de produção que estão sendo discutido nas negociações sobre clima. “Muitas vezes o que se propõe em uma COP é até mais simples do que a legislação ambiental da Alemanha”, diz.

Perguntado sobre o que ele achava de as empresas também financiarem a transição para modelos mais sustentáveis via Fundo Climático Verde (uma das discussões que está ganhando destaque nessa COP21) ele diz que até acha justo o setor privado contribuir com isso, mas considera que isso já é feito. “Afinal, de onde vem o dinheiro público para financiar isso? Muitas vezes dos impostos que o setor privado paga.” Por isso, em vez das empresas financiarem separadamente o Fundo Climático, ele defende que os governos criem uma taxa extra para as empresas onde todo o dinheiro seria revertido para o Fundo.

Por último, ao ser questionado sobre a relação entre indústrias e organizações da sociedade civil, ele diz que na Alemanha eles conseguem se relacionar muito bem com algumas ONGs, mas encontram muitas dificuldades com outras. Para ele, a diferença está em saber ouvir. “Algumas ONGs aceitam nos escutar, entender o nosso posicionamento e como as coisas funcionam. Isso não significa que elas concordem com a gente, mas elas também nos escutam. Outras ONGs simplesmente fazem protestos, apontam o dedo dizendo que fazemos errado, somos mal intencionados, mas eles nem sequer nos apresentam uma proposta efetiva de solução”, argumenta Joachim.

Para ele o papel da sociedade civil nas negociações é extremamente importante, principalmente da juventude, mas ele considera que os jovens, muitas vezes focam muito em fazer ações e não se debruçam profundamente na parte política, que é onde as negociações acontecem de fato. “Precisamos de mais jovens interessados em política, afim de negociar profundamente o que está na mesa”, finaliza.

 

 

 

 

 

Ver +

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *