Os novos desafios para a proteção da selva amazônica (Português e Espanhol)

Jhoanna Cifuentes*, da Agência Jovem de Notícias

 

“A selva amazônica é um ecossistema complexo que precisa de maior atenção e salvaguarda a nível macro”, defende Paul Little, consultor internacional no tema de políticas ambientais e indígenas em uma das sessões do Fórum Global de Paisagens, realizado durante a COP 20. Os projetos de financiamento, fiscalização e administração da Amazônia são também de grande complexidade. Motivo pelo qual as políticas, os níveis de inversão e as salvaguardas devem ter um tratamento diferenciado.

No tema de políticas, os governos devem ser mais exigentes com os projetos que queiram ser realizados nestas áreas, pensando não somente no ciclo de cada projeto e no setor econômico, mas de forma sistêmica, com impacto em nível regional. A inversão deve ser vista com enfoque social, econômico e ambiental, analisando os impactos imediatos e futuros. Bem como as salvaguardas devem ser pensadas por meio de conhecimentos ancestrais e serviços ambientais prestados pela área.

O projeto Camisea, citado por Gonzalo de la Mata, presidente do Painel de Inspeção do Banco Mundial, mostra um destes exemplos complexos, onde o equilíbrio entre desenvolvimento econômico, social e ambiental é um objetivo muito difícil de ser alcançado. Neste aspecto, Gonzalo nos conta como o projeto tem contribuído para o desenvolvimento econômico peruano, aumentando entre 2 e 3% o PIB e, por outro lado, que o impacto em nível territorial tem sido mínimo porque não foram construídas vias de transporte para o gás produzido.

Na verdade, Camisea podia ser vista como um exemplo de grande extração de riqueza e de baixo impacto ambiental por seu quase nulo desmatamento. Porém, apesar de ser a zona mais rica, tem o maior índice de desnutrição e, ainda, a economia de todo Peru se tornou dependente, levando em conta que o gás extraído na área acabará em cerca de seis anos. A economia do país corre enorme risco de busca e exploração de mais áreas provocando um impacto ambiental maior a longo prazo.

O desafio agora é encontrar uma forma de equilibrar os fatores social, econômico e ambiental;  estabelecer uma estratégia regional para conservar a Amazônia e fortalecer a atuação de organizações sociais, fazendo um chamado especial aos jovens para se empoderarem e liderarem a proteção do também chamado “pulmão do mundo”.

 

*Integrante da equipe de Comunicação da Red+Vos

 

Version en español

 

Los nuevos retos para la protección de la selva amazónica

Por: Jhoanna Cifuentes  de la Agencia Joven de Noticias*

 

“La selva amazónica es un ecosistema complejo que necesita mayor atención y salvaguardas a nivel macro” exponía Paul Little, consultor internacional en temas de políticas ambientales e indígenas durante una de las sesiones del Foro Global sobre Paisajes realizado en el marco de la COP20. Los proyectos de financiamiento, fiscalización y administración de la Amazonía son también de gran complejidad por lo que las políticas, los niveles de inversión y las salvaguardas deben tener un tratamiento diferente.  En el tema de políticas, los gobiernos deben ser más exigentes con los proyectos que se deseen realizar en estas zonas, pensando no sólo el ciclo de cada proyecto y un solo sector económico sino de forma sistémica, con impacto a nivel regional. La inversión debe ser vista desde el enfoque social, económico y ambiental, analizando los impactos inmediatos y futuros. Las salvaguardas deben pensarse desde los conocimientos ancestrales y los servicios ambientales que presta esta zona.

El proyecto Camisea ilustrado por Gonzalo de la Mata, presidente del Panel de Inspección del Banco Mundial, nos muestra uno de estos ejemplos complejos, en donde el equilibrio entre el desarrollo económico, social y ambiental es un objetivo muy difícil de alcanzar. En este aspecto, nos cuenta como el proyecto Camisea ha contribuido al desarrollo de la economía del Perú  aumentando entre un 2 y 3 % el PIB y por otro lado, que el impacto a nivel de territorio ha sido mínimo pues no se han construido vías para el transporte del gas producido. Es decir, que Camisea podría ser vista como un ejemplo de gran extracción de riqueza y de bajo impacto ambiental por su casi nula deforestación. Sin embargo, a pesar de ser la zona más rica tiene el mayor índice de desnutrición y además, la economía de todo el Perú se ha vuelto dependiente, por lo que teniendo en cuenta que se estima que el gas que se extrae de esta zona se acabará en unos 6 años, la economía del país corre un riesgo enorme que implicaría la búsqueda y explotación de más zonas provocando a largo plazo un mayor impacto ambiental.

El reto que queda es encontrar una forma de equilibrar lo social, lo económico y lo ambiental, establecer una estrategia regional para la conservación de la Amazonía y fortalecer la actuación de las organizaciones sociales, haciendo un especial llamado a los jóvenes a empoderarse y liderar la protección del también llamado “pulmón del mundo”.

 

*Integrante del equipo de comunicación de Red+Vos

Versione Italiano

Le nuove sfide per la protezione della foresta amazzonica

Jhoanna Cifuentes*, dell’Agenzia di Stampa Giovanile

“La foresta amazzonica è un ecosistema complesso che ha bisogno di maggiore attenzione e salvaguarda nel livello macro”, dichiara Paul Little, consulente internazionale in politica ambientale e indigena in una sessione al Landscapes Global Forum, avvenuto durante la COP 20. I progetti di finanziamento, supervisione e gestione dell’Amazzonia sono molto complessi. Ecco perché le politiche, i livelli di investimento e le garanzie dovrebbero essere trattate in modo diversificato.

Riguardo la politica, i governi dovrebbero essere più attenti nei confronti dei progetti realizzati in queste aree, e non limitarsi a considerare il ciclo del singolo progetto e il suo impatto economico, ma agire in modo sistemico, a livello regionale. L’inversione di approccio deve includere gli aspetti sociali, economici ed ambientali, ed analizzare gli impatti immediati e futuri. Allo stesso modo, le garanzie dovrebbero essere pensate attraverso la conoscenza ancestrale e i servizi ambientali forniti nella zona.

Il progetto Camisea, citato da Gonzalo de la Mata, presidente della Commissione di Controllo della Banca mondiale, presenta uno di questi esempi complessi, in cui l’equilibrio tra sviluppo economico, sociale e ambientale è un obiettivo molto difficile da raggiungere. A questo proposito, Gonzalo ci racconta di come il progetto abbia contribuito allo sviluppo economico del Perù, passando dal 2 al 3% del PIL con degli impatti mimini a livello locale, perché non sono state costruite vie di trasporto del gas prodotto.

In realtà, Camisea potrebbe essere visto come un esempio di grande estrazione di ricchezza e di basso impatto ambientale per la sua deforestazione quasi nulla. Tuttavia, pur essendo la zona più ricca, ha il più alto tasso di malnutrizione. Anche l’economia dell’intero Perù è diventata dipendente dall’attività, tenendo conto che il gas estratto nell’area terminerà in circa sei anni. L’economia del paese corre il rischio enorme della necessità di ricerca ed esplorazione di più aree, causando un maggiore impatto ambientale a lungo termine.

Ora la sfida è quella di trovare un modo di bilanciare i fattori sociali, economici e ambientali, e stabilire una strategia regionale per conservare l’Amazzonia e rafforzare il ruolo delle organizzazioni sociali, effettuando una chiamata speciale ai giovani, che devono farsi carico della protezione del cosidetto “polmone del mondo”.

* Membro del Communications Team Red + Vos

 

 

 

Ver +

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *