NÓS QUEREMOS VOCÊ!

Somos todos consumidores por definição, mas como nossas ações individuais podem ter valor? Nossas escolhas podem mudar o poder e fazer uma mudança? Mudar hábitos é o que todos nós podemos fazer hoje, mas realmente vale a pena?

Por Emma Leoni

Tradução: Monise Berno

“Hoje, o consumidor se tornou um ‘ator-consumidor’, capaz de influenciar os métodos de produção por meio de suas escolhas de consumo”, argumenta o advogado e especialista em legislação alimentar Dario Dongo, que promoveu a campanha gratuita do óleo de palma na Itália. Negócios, setores e empresas, de fato, começaram a levar em consideração e confrontar seus consumidores, coletando dados sobre seus comportamentos e demandas, porque têm consciência de que o poder da mudança está nas mãos do consumidor. Na verdade, esse relacionamento frutífero pode causar grandes impactos no grande esquema das coisas. “Resolver a crise climática sem os consumidores não é possível”, como Ruth Cranston – da Sainsbury – disse, mas ambos os lados têm que fazer sua parte. 

Todos os consumidores devem se tornar consumidores críticos, educar-se para direcionar seus investimentos e despesas para empresas que realmente se preocupam em tornar o mundo um lugar melhor ou, mais simplesmente, conscientizar-se do impacto de suas compras diárias. Atingir a meta de emissões líquidas zero está estritamente relacionado a uma mudança substancial nos comportamentos individuais. Muitos consumidores querem reduzir seu impacto no sistema climático, mas há um descompasso entre as ações que eles acham que são as mais impactantes e o que é realmente necessário. Por exemplo, muitas ações visam reduzir o uso de plástico ou reciclar mais, mas apenas algumas se concentram em sua dieta ou seu meio de transporte, negligenciando dois dos setores mais emissivos, a produção de alimentos e o transporte. 

No entanto, a tendência está mudando: 39% dos cidadãos do Reino Unido estão comendo cada vez mais alimentos à base de plantas, conforme comunicado durante o evento COP26 “Mudando o comportamento do consumidor”. Na Itália (estamos falando de cerca de 10 milhões de famílias e cerca de 22 milhões de consumidores individuais), os produtos à base de plantas entraram nas escolhas alimentares de 37,9% das famílias italianas – dados fornecidos pela Unione italiana food.

Os consumidores flexitaristas também estão crescendo: pessoas que decidiram reduzir o consumo de proteína animal, seja por questões de saúde ou ambientais, optando por alternativas vegetais para reduzir ao máximo o consumo de carne e peixe. Em geral, mesmo que ainda haja alguma confusão, as pessoas começam a se dar conta da influência que exercem, mas não é o suficiente. 

As empresas devem fazer a sua parte: podem contribuir para impulsionar a mudança. A coleta de dados é crucial para melhor analisar e compreender os comportamentos dos consumidores, para acompanhar os clientes em direção a novas atitudes de compra que são melhores para a saúde e o meio ambiente. Hoje em dia, a sustentabilidade é uma tendência muito na moda e muitas marcas sabem disso: isso pode não levar necessariamente a ações de greenwashing, como muitas vezes se pensa. Mas, definitivamente falta uma linha comum, de informações confiáveis, de rótulos claros e simples para comunicar os produtos, para oferecer opções diversas e acessíveis e, em geral, observa-se um baixo nível de transparência. Essas questões devem ser resolvidas para realmente ajudar os consumidores a fazerem escolhas sustentáveis. 

Aqui na COP26, a UNFCCC decidiu ser transparente sobre a alimentação fornecida aos delegados: todos os carrinhos de alimentação ao redor dos pavilhões das delegações têm rótulos que informam sobre a pegada de CO2 de cada refeição servida, para que todos possam estar cientes do impacto de sua escolha. Informações claras e simples são essenciais para empoderar os consumidores e estimulá-los a se responsabilizar por suas escolhas, pois as mudanças de comportamento estão estritamente relacionadas com a percepção que as pessoas têm sobre o seu impacto, principalmente no caso das mudanças climáticas. 

Das empresas espera-se não só uma maior transparência, mas também a disponibilidade para incentivar comportamentos menos impactantes, oferecendo mais opções aos clientes e demonstrando uma ambição clara. A mudança comportamental envolve a transformação do sistema estrutural, garantindo a participação e a propriedade, tornando as novas escolhas claras, fáceis e acessíveis. A técnica de cutucada – intervir proativamente na arquitetura de escolha, de forma a estimular usuários, consumidores, cidadãos a escolher certas opções e não outras, sem que se sintam forçados a fazê-lo ou percebam isso como ações impostas – poderia ser uma forma alternativa de empurrar suavemente consumidores em direção a uma determinada escolha, levando a produtos mais sustentáveis, mais ecológicos e de menor impacto. 

Mudanças nas percepções, atitudes, comportamentos e hábitos de consumo podem ter efeitos mais amplos, como mudanças nas políticas públicas, mudanças nos investimentos das empresas e, como consequência, uma contribuição relevante para contrastar as mudanças climáticas. A soma do impacto das ações de cada indivíduo equivale a grandes mudanças no grande esquema das coisas.

Mudar nossos hábitos de consumo é o que podemos fazer hoje. Juntos, temos o poder de fazer a diferença: vamos unir nossos esforços, queremos você também!

Ver +

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *