Monitoramento da concentração atmosférica de CO2

Neste artigo, alguns exemplos de como a tecnologia pode ajudar a contribuir na compreensão da dinâmica do CO2 na atmosfera, e onde estão as principais fontes e sumidouros de carbono ao redor da Terra.

Por Luís Miguel da Costa

Devido à emissão desenfreada de gases do efeito estufa (GEE) pela ação humana na natureza, o clima vem sofrendo grandes alterações, dentre elas o aumento da temperatura média do planeta. Sendo assim, as mudanças climáticas globais ocasionadas pela emissão de GEE tornaram-se um dos maiores problemas do século.

imagem mostra nuvens de fumaça no ar.
Imagem de Foto-Rabe por Pixabay 

Cientistas do mundo todo têm focado em entender esse fenômeno e em como os seres humanos afetam este processo, mas como é feito esse monitoramento?

Ele pode ser feito de algumas formas: um dos métodos mais conhecido é a partir de dados de estações meteorológicas instaladas na superfície terrestre, como a NOAA e mais recentemente por sensoriamento remoto, utilizando satélites específicos que estão em órbita na Terra. Alguns exemplos de aplicação são os estudos publicados pela Remote Sensing em 2017 e pela Atmospheric Measurement Techniques em 2013.

A utilização desses satélites tem se tornado cada vez mais popular devido a praticidade e facilidade para se obter esses dados, em alguns casos, os bancos de dados gerados por eles possuem acesso aberto, o que possibilita  a comunidade de modo geral verificar as observações. Recentemente a NASA lançou um novo modelo em órbita chamado OCO-3 que veio com objetivo de suceder o projeto anterior, o chamado OCO-2.

Outras agências espaciais também apresentam satélites como o mesmo objetivo da agência americana.

Estes são apenas alguns exemplos de como essa tecnologia pode ajudar a contribuir na compreensão da dinâmica do CO2 na atmosfera, e onde estão as principais fontes e sumidouros de carbono ao redor da Terra. É importante salientar que esse monitoramento não acontece apenas com gases de efeito estufa, mas sim, com o monitoramento ambiental de maneira geral, por meio da dinâmica da vegetação, por exemplo.

Essa tecnologia possui grande potencial para nos auxiliar na construção de caminhos mais sustentáveis para a nossa e para as próximas gerações!

Luis Miguel da Costa. Graduando em Agronomia, pesquisador da dinâmica do CO2 com a biosfera, das mudanças no uso e ocupação da terra e das mudanças climáticas. Socioambientalista.

Ver +

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *