Mas e aí, as aulas voltaram?

No estado de São Paulo as aulas nas escolas públicas voltaram desde o dia 8 de fevereiro, mas com a situação da falta de investimento nas escolas e desvalorização dos profissionais, como retomar as aulas após a pandemia?

Por Paulo Cruz (Ara)

Já  não é de hoje que sabemos o quanto as escolas públicas vêm sendo sucateadas nos governos do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) em São Paulo. O atual governador de São Paulo, João Dória, afirmou em um discurso em 2018 no início do seu mandato de prefeito, que iria distribuir um tipo de “ração humana” nas escolas. Antes dele, pessoas próximas ao ex-governador e o próprio Geraldo Alckmin também estavam envolvidos no superfaturamento e desvio de dinheiro público da merenda escolar.

Esses 26 anos de PSDB no estado de São Paulo têm deixado marcas muito tristes no desenvolvimento da educação. Basta ir a qualquer escola estadual das periferias que verão a péssima estrutura que nossos estudantes estão submetidos nas escola por esses e outros motivos os professores do estado estão sempre lutando por melhores salários e investimento na educação. 

Se por um lado vemos a todo o instante o discurso de desenvolvimento da educação pública e a celebração da educação a distância, por outro lado, acompanho de perto o calabouço que separa jovens pretos e periféricos sem acesso a recursos de mídia, a Internet e que muitas vezes falta a alimentação adequada dentro de casa e que tentam acompanhar essa modernização da educação.

Durante a pandemia da covid-19, o estado de São Paulo, que conta com um plano de combate à pandemia formado por especialistas nas áreas da saúde, educação, tecnologia, assistência Social e outras áreas de conhecimento, busca desenvolver ações para garantir a segurança da população no estado e na cidade.

Apesar do governador possuir essa equipe técnica múltipla, é aterrorizante ver o apoio à retomada das aulas nas escolas públicas sem a vacinação dos estudantes e dos profissionais da educação.

Mesmo com o plano de contingência da covid-19 que estabelece regras mais rígidas para evitar a circulação de pessoas nas cidades ativo, o estado delira com a volta às aulas. Eu fico me perguntando a quem se destina esse plano de abertura e se essas propostas condizem com a realidade paulista; o que me parece é que esses estudos avançadíssimos não levam em conta a regionalização e as urgências nas periferias.

imagem mostra pessoa usando máscara de proteção em uma sala de aula vazia.
school-5058305_1920 foto de Alexandra Koch por Pixabay

Esses frutos de tanto tempo do PSDB no poder recaem sobre a população das periferias da cidade, onde as escolas não possuem estruturas adequadas para volta às aulas.

A pandemia da covid-19 afetou estudantes do mundo inteiro, mas principalmente os de países pobres e que enfrentam sérios problemas políticos, como o Brasil. A partir dessa necessidade de reafirmar a importância da educação para superar os desafios que a pandemia nós colocou, a Campanha Global pela Educação lança uma ação chamada de ‘Um Bilhão de Vozes’ .

A campanha é um apontamento para os governantes e que busca realizar esforços em conjunto com toda a sociedade para investimentos e melhorias na educação pública, cumprindo as metas do desenvolvimento sustentável ODS e avançar em uma educação de qualidade.

A educação pode se recuperar ao longo dos anos; basta realizar um esforço coletivo entre profissionais da educação, comunidade e o poder público, que precisa urgentemente investir na infraestrutura das escolas, nos salários dos professores e dar acesso aos estudantes às mídias digitais, para podermos presenciar uma mudança nesse circuito.

arte em fundo branco. na esquerda, linhas finas coloridas e a foto de um jovem usando camiseta rosa.

Ver +

1 Comentário

  • Que belíssimo texto amigo, parabéns!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *