Iniciativa brasileira contra a pobreza menstrual

Questões do menstruar são um tabu que precisa ser desconstruído, pelo bem estar de pessoas que menstruam. Aqui neste texto, vamos saber mais sobre a pobreza menstrual e conhecer o movimento Livre para Menstruar

Por Larissa Helena Carneiro

A falta de acesso a produtos de higiene, a banheiros, a saneamento básico, a medicamentos, a serviços médicos e a conhecimento acerca da menstruação é o que, além de outros fatores, caracteriza a pobreza menstrual segundo o relatório do UNFPA e do Unicef, implementado pela Viração Educomunicação por meio do projeto U-Report Brasil.

As consequências são diversas e graves: faltas à escola durante a menstruação, exposição à infecções devido a absorventes improvisados (como miolos de pão ou sacolas plásticas, por exemplo), ansiedade durante o período menstrual e violação da dignidade, à medida que as pessoas sem os recursos necessários não podem administrar a menstruação de forma adequadamente e estão sujeita a provocações e exclusão.

O fenômeno também interfere na conclusão de alguns Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, como o terceiro (Saúde e Bem Estar), o quarto (Educação de Qualidade), o quinto (Igualdade de Gênero) e o sexto (Água Potável e Saneamento), que tratam da higiene menstrual indiretamente.

Pensando em solucionar esse problema no Brasil, jovens ativistas da Girl Up criaram o movimento “Livre Para Menstruar”, que inclui um relatório sobre o assunto e campanhas em 8 estados e no Distrito Federal.

Imagem retirada do site Livre Para Menstruar

As campanhas foram feitas com o apoio da rede de ativismo Nossas, e propõem a pressão de parlamentares via e-mail para que apoiem projetos de lei voltados à distribuição gratuita de absorventes.

Uma delas, referente ao Rio Grande do Norte, já fez com que o PL 193/2020 fosse aprovado e sancionado no estado. A nova lei determina absorventes como bens essenciais e incentiva a distribuição destes para estudantes.

Para saber mais sobre o movimento, baixar o relatório completo e participar das campanhas, acesse o site do Livre Para Menstruar: https://livreparamenstruar.org/.

Você também pode assistir o minidocumentário Absorvendo o Tabu, disponível na Netflix, que conta a história de mulheres indianas que superaram a pobreza menstrual e o tabu acerca da menstruação ao mesmo tempo em que alcançaram independência financeira.

Também veja as referências abaixo e deixe um comentário nos dizendo o que achou do tema!

  1. Relatório  Pobreza Menstrual no Brasil: desigualdade e violações de direitos, do UNFPA e do Unicef 
  2. Impactos da pobreza menstrual – Diário do Nordeste
  3. Enquete do U-Report Brasil sobre saúde menstrual
Imagem de burin kul por Pixabay

Ver +

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *