Sociedade civil e Poder Público se reúnem em Fórum Comunitário, na Cidade Tiradentes

PCU.jpg3

A Cidade Tiradentes, na zona leste de São Paulo, foi o primeiro território a realizar o Fórum Comunitário da Plataforma dos Centros Urbanos. Em sua segunda edição na cidade, a PCU é uma iniciativa do UNICEF que promove um conjunto de atividades e articulações para reduzir as desigualdades que afetam a qualidade de vida de crianças e adolescentes nas grandes cidades. 

Os Fóruns Comunitários são espaços plurais, que reúnem adolescentes, diferentes atores da comunidade local e representantes do Poder Público para debaterem sobre a garantia dos direitos de crianças e adolescentes. Esse debate permite a realização de um diagnóstico local que orienta a construção de propostas de intervenções para melhorar os indicadores relacionados à agenda infanto-juvenil no território. Além das ações que possam ser realizadas pelo governo, também a própria sociedade civil pode pensar em ações para enfrentar os problemas diagnosticados.

O grupo de jovens que enriqueceu as discussões com sua vivência na comunidade. “É importante que os jovens se manifestem, o Fórum é para o jovem. Ele ganha voz para dizer o que está certo e o que está errado” afirmou Milena, de 16 anos, participante do Centro da Juventude  240.

Na Cidade Tiradentes as atividades começaram com a apresentação dos participantes e a exibição de um espetáculo teatral, como foco na Consciência Negra, organizado pelos próprios jovens da comunidade. Em seguida, os presentes foram divididos em grupos para discutir e propor intervenções, a partir dos indicadores da cidade.

Um dos temas debatidos foi o “o direito de viver sem violência”, a partir do qual foi possível discutir a taxa de homicídios de adolescentes na região, e também mortes por outros fatores externos, como acidentes de trânsito.

A questão racial foi abordada frequentemente nas discussões. Integrantes do Mocuti (Movimento Cultural Cidade Tiradentes) propuseram a imersão dos jovens na cultura como meio de reduzir a violência. “O Mocuti nasceu para proteger a ‘Casa da Fazenda’ [Parque da região], com o intuito de preservar o patrimônio histórico e cultural, empoderando os jovens negros e pobres da região” disse Ana Rita, fundadora do Mocuti.

Após o término das discussões em grupos separados, foram apresentadas as propostas na plenária. Concluiu-se que para que as pautas sejam efetivadas é preciso comprometimento tanto da sociedade civil, quanto do Poder Público. “Espero que o governo municipal se engaje ainda mais na implementação das propostas que estão saindo do Fórum e que a comunidade local continue acreditando e mobilizada. Se isso acontecer, acredito que teremos resultados que vão mudar a vida de crianças e adolescentes,” disse Flariston da Silva, coordenador de Políticas para Crianças e Adolescentes.

Por: Junior Valeriano e Nathalia Rodrigues

Ver +

2 Comentários

  • Cidade Tiradentes berço de Culturas, jovens que tem sede de mudança e buscam o reconhecimento desta diversidade que nossa quebrada.

    • Massa, Izabel!
      A AJN e a Viração realizam diversas atividades pelos territórios e comunidades de São Paulo, inclusive na Cidade Tiradentes.
      Acompanhe nosso trabalho nas redes sociais
      https://www.facebook.com/viracao.educomunicacao/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *