Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /home/agenciajovem/public_html/wp/wp-includes/class-wp-post-type.php on line 526
Espetáculo infantil fala sobre igualdade de gênero e empoderamento feminino – Agência Jovem de Notícias

Espetáculo infantil fala sobre igualdade de gênero e empoderamento feminino

| Por Jefferson Rozeno e Vitória Soares, da Agência Jovem de Notícias de São Paulo |

O segundo dia de programação do novo Sesc 24 de Maio, contou com mais de 50 atividades. A programação infantil não ficou de fora, o espetáculo Antiprincesas, da companhia de teatro Luarnoar, levou diversão e levantou uma importante discussão de gênero.

O espetáculo aconteceu na sala Curumim, espaço destinado ao programa de educação não formal do Sesc. A peça conta a biografia de personagens históricos nada convencionais, mulheres fortes e destemidas que fogem dos padrões de beleza e comportamento atribuídos ao gênero feminino.

Para a abertura, a personagem escolhida foi Frida Khalo, uma artista brilhante que questionou o machismo e a opressão contra a mulher nos anos 30, e hoje é referência na luta pela igualdade de gênero.

Além da Frida, outras personagens históricas feministas da América Latina foram figuradas, como a brasileira Clarice Lispector, a peruana Juana Azurdui e a chilena Violeta Parra.

Para Nivanda Maria, atriz do espetáculo, discutir questões de gênero logo na infância é fundamental. “Apresentando as antiprincesas para as crianças, mostramos que existem mulheres muito importantes que não estão em castelos, mulheres muito bonitas que não são da Disney”, conta. “Existem mulheres que tiveram coragem, não podemos temer, não precisamos nos esconder. Foi o que estas mulheres fizeram, elas saíram e foram a luta. O antiprincesas mostra que a mulheres têm condições de lutar pelos seus sonhos.”

Embora destinado a crianças, o espetáculo Antiprincesas é uma obra que todos deveriam experienciar. Estatísticas nos mostram o quão forte é a desigualdade de gênero em todos os setores da sociedade.

No Brasil, mesmo com melhor performance na vida acadêmica e mais tempo de estudo, as mulheres ganham 30% a menos, em média, que os homens*. Em 2015, a jornada total média das mulheres era de 53,6 horas, enquanto a dos homens era de 46,1 horas. Trabalhar isto logo na infância, alimenta a esperança de um futuro mais justo.

Você pode encontrar mais informações sobre a Companhia Luarnoar ou nas redes socias.

* Pesquisa Salarial do Grupo Catho, 2007

 

Este texto é resultado da cobertura educomunicativa da inauguração do Sesc 24 de Maio, realizada por adolescentes e jovens do projeto Agência Jovem de Notícias e da Viração Educomunicação, em parceria com o Sesc São Paulo.

 

 

Ver +

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *