Eixos da Conferência: confira o que rolou nos GT’s

Confira os principais aspectos de alguns GT’s que rolaram ontem durante a Conferência Nacional da Juventude:

Por: Hércules Barros (DF), Willian Braga (ES), Daniela Rueda (SP), Everton Nova (BA), Elisãngela Nunes (SP) e Maria Camila Florêncio (PE)


Comunicação: GT aprova proposta de Jovens da Rede

As discussões de propostas para a área de comunicação no documento base da 2ª Conferência Nacional da Juventude estão em andamento na tarde deste sábado (10). Presentes como delegado e observador no grupo de trabalho 6 que trata do tema Comunicação, representantes da Rede de Adolescentes e Jovens Comunicadores e Comunicadoras reivindicaram e conseguiram trazer para destaque o direito à informação e do marco regulatório dos meios de comunicação. A redação vai abrir o tópico Juventude e Comunicação no primeiro dos cinco eixos do debate: direito ao desenvolvimento integral. Agora é esperar para ver se a proposta vai para o documento final. A escolha das três prioridades do tema para a plenária de amanhã ainda não foi iniciada.

GT sobre Segurança indica vulnerabilidade da Juventude

Durante o GT do Eixo 4, sobre Direito à Diversidade e Vida Segura, foi dito que os jovens representam o grupo social mais vulnerável, tanto nas dificuldades de acesso ao emprego e à cidadania, e também por estarem sujeitos à violência. Os jovens têm uma presença significativa nas estatísticas de mortalidade, que apontam para uma maior proximidade com organizações criminosas, bebidas alcoólicas e drogas, além de significativa participação em acidentes de trânsito.
Nesse sentido, disseram os delegados, é de extrema importância que as políticas de segurança pública considerem projetos e ações voltadas para a inclusão dos jovens, onde estas políticas sejam integradas e expandidas, assim dando aos jovens a esperança de um futuro melhor.

Panamorama Geral do Eixo 5 na Conferência Nacional de Juventude

O Eixo 5, que tem como foco o Direito à Participação e o Desafio do Fortalecimento Institucional, de modo geral, iniciou as atividades com a aprovação do texto-base da Conferência, que levou mais tempo do que o planejado pela organização. De modo geral, o eixo Participação tratou sobre o CONJUVE, tendo como principal ponto sua estrutura de funcionamento. Enquanto o eixo Fortalecimento Institucional tratou sobretudo dos fundos, com destaque para os Fundos Nacional de Juventude, Estaduais e Municipais.
Foi visível a grande massificação das juventudes partidárias em disputa com uma minoria pertencente à sociedade civil organizada, conhecidos como independentes, justamente por não carregarem uma bandeira partidária. A participação em sua totalidade era de jovens, porém sem o envolvimento de adolescentes no processo de decisão. No geral, houve muito tumulto para se tentar chegar a alguma resolução. Foram horas para um processo que poderia ter sido muito mais proveitoso. Apesar das muitas propostas e intervenções debatidas apenas 3 delas irão efetivamente para a Plenária Final, que ocorrerá no dia 11.

Saúde é prioridade para jovens LGBT

O grupo composto por 22 pessoas, Lésbicas, Gays, Travestis, Transexuais, Bissexuais, todos delegados e observadores de diversos lugares do Brasil discutiram e elaboram 3 propostas com base no documento, construído nos estados. A proposta de Saúde, foi implementar o Plano Nacional de Saúde integral LGBT, com recorte juvenil. Na educação foi aprovado a criação de um programa de formação continuada para os profissionais da educação sobre a temática LGBT e o Debate de segurança foi entorno da aprovação da Lei que criminalize a homofobia.
O grupo também discutiu e aprovou várias moções, entre elas: moção a favor do estado Laico, pela aprovação da PL 122 que criminaliza Homofobia, apoio à criação e efetivação do Plano de enfretamento à juvenização da Aids e contra o fim da classificação indicativa na TV.

Grupo discute equidade de gênero e questões da Mulher

Direitos Sexuais e Reprodutivos e a descriminalização e legalização do aborto; enfrentamento à exploração sexual e tráfico de pessoas; e a ampliação e interiorização da Lei Maria da Penha com garantia de orçamento; foram as prioridades eleitas pelo GT de Gênero. Após a aprovação e encaminhamento de redação de alteração das propostas, e posteriormente aprovação das prioridades, o grupo discutiu pontos importantes, tais como: a modificação da nomenclatura do GT Gênero para “Jovens Mulheres e Equidade de Gênero” (que visibiliza o segmento de mulheres, e pensa Gênero na perspectiva relacional, ou seja, que inclui o outro – o homem); e uma moção de repúdio por não se sentirem contemplad@s com a suposta linguagem inclusiva do caderno de propostas que optou pelo emprego do “masculino genérico” com a justificativa de fluidez na leitura e sobrecarga gráfica.

Ver +

2 Comentários

  • Parabéns a Agência Jovem de Notícias pela cobertura da 2ª Conferência Nacional de Juventude!
    E eu estava no Grupo de Comunicação!

  • Ai!Ai! Como eu gostaria de estar aí. Como é maravilhoso acompanhar vocês, suas lutas e reivindicações sabendo que são politizadas ao ponto de reivindicar espaços com propriedade e competência. Que maravilhoso ver vocês nesta conquista diária. Beijos galera da Vira e orgulho de vocês, muito, muito….
    Tatinha – Lavras/MG

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *