Diário Antirracista, dia 17

O Samuel Emílio está de volta ao diário para conversar sobre algumas expressões bastante utilizadas na linguagem brasileira que têm origens no preconceito e propagam o racismo

Por Redação AJN

“Mercado negro”, “mulata”, “cor de pele”, “lista negra”, “denegrir”, “a coisa tá preta”

O que tem de estranho no uso dessas expressões, tão comuns na linguagem brasileira? Elas são expressões racistas, expressões que fazem referência à cor da pele das pessoas como ruim, ligada à criminalidade, ao que é ruim, ao impuro. O uso delas contribui para definir como “normal”, limpo, puro, correto apenas o que é claro, branco.

O Samuel explica a origem de algumas destas expressões. De onde vem o termo mulata:

é muito comum o uso da expressão mulata, que é um termo que surgiu no período da escravidão, quando eles começaram a comparar as crianças que nasciam filhas de senhores de escravos, que muitas vezes tinham estuprado as suas escravas, eles pegavam essas crianças e faziam uma analogia com uma coisa que acontece no Reino Animal, quando um cavalo cruza com uma jumenta, e dá origem a uma mula. Essa expressão começou a era usada com essas crianças e até hoje a gente escuta pessoas se referindo a pessoas negras ou padas com mulatas.

E a expressão denegrir:

Outra expressão muito comum é a expressão denegrir, muitas vezes usada quando as pessoas querem difamar, ou depreciar, mas não faz sentido substituir a palavra difamar ou depreciar por denegrir, porque denegrir significa tornar negro, mas tornar negro não necessariamente significa que é uma coisa ruim, né? Inclusive tem uma falsa ideia de que as coisas claras e limpas são boas, e que as coisas negras e sujas são ruins, mas isso não faz sentido, não existe nenhuma evidência de que exista essa relação. 

Assista o vídeo completo:

Diário Antirracista, dia 17

Conheça as missões propostas para o dia 17

Missão 1: Digite no Google “Expressões Racistas” e estude

Missão 2: Escreva no seu diário as expressões racistas mais comuns do seu vocabulário e substitua elas por outras expressões. Tente se policiar nas próximas vezes. 

Se você quiser receber o conteúdo do diário pelo Whatsapp, inscreva-se na lista de transmissão. Quer uma companhia mais próxima nessa jornada? Convide uma amiga ou um amigo para passarem juntos por esse processo. Clique aqui para receber todos os conteúdos direto no seu Telegram: https://t.me/diarioantirracista

Dá pra se cadastrar nesse link e receber os conteúdos por e-mail também: https://bit.ly/TermineSeuCadastroNoDA 

Você também pode seguir o Samuel Emílio no Youtube para assistir aos vídeos do diário antirracista e também receba conteúdo pelo perfil do Samuel Emílio no Instagram!

Ver +

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *