Diário Antirracista, dia 14

O mundo está ficando chato mesmo ou agora as pessoas conseguem identificar os preconceitos presentes em piadinhas aparentemente inofensivas? A pauta de hoje é racismo recreativo

Por Redação AJN

Não. O mundo não está ficando chato, e não é mais possível esconder preconceitos atrás de ‘humor’. As pessoas estão aprendendo, aos poucos, a identificar o racismo presente naquelas piadinhas sem graça que são repetidas há anos: elas são racismo recreativo.

As pessoas acostumaram-se a fazer e aceitar piadas racistas por considerar isso uma brincadeira, mas não é. Na maioria das vezes em que são questionadas, as pessoas que cometem racismo recreativo costumam alegar que têm liberdade de expressão, por isso estão livres para fazer ‘humor’ ofensivo.

Rebater esse tipo de argumento é uma prática antirracista essencial. O Samuel indica algumas ideias:

É importante ressaltar que essa ‘liberdade de expressão’, essas piadas, não acontecem no vácuo. Elas acontecem dentro de um sistema em que as pessoas têm poderes diferentes na sociedade. (…) Quando as pessoas não-negras fazem piadas inferiorizando e depreciando a imagem de pessoas negras comparando elas com animais, a gente está dentro de um sistema onde as pessoas não-negras têm muito mais poder do que as pessoas negras.

Ele comenta que esse argumento da liberdade de expressão é uma falácia, porque não vivemos numa sociedade onde haja isonomia de poder. Pessoas têm diferentes posições e poderes, e isso se reflete na capacidade de reação. E continua:

todas as expressões que inferiorizam ou depreciam a imagem de pessoas negras devem ser cerceadas em qualquer contexto, por um motivo muito simples: esse foi o argumento utilizado para começar a escravidão lá no passado. Eles consideravam que as pessoas negras eram inferiores e eram comparadas a animais, da mesma maneira que hoje muitas piadas comparam pessoas negras com macacos. Essas expressões fazem comparações que podem aos poucos legitimar pequenos abusos cotidianos na vida dessas pessoas, desde abusos no mercado de trabalho até abusos maiores, quando a gente está falando de violência e abordagem policial.

Diário Antirracista, dia 14

E agora, as missões do dia 14:

Missão: Anote no seu diário exemplos de piadas racistas comuns no seu dia a dia e como você sente que pode atuar nas próximas vezes que elas acontecerem.

Dicas extras!

1. Para assistir:

Vídeo aprofundando Racismo Recreativo: 

2. Para ler: 

Livro do Adilson Moreira, Racismo Recreativo

Relatório sobre Racismo no Futebol

Se você quiser receber o conteúdo do diário pelo Whatsapp, inscreva-se na lista de transmissão. Quer uma companhia mais próxima nessa jornada? Convide uma amiga ou um amigo para passarem juntos por esse processo. Clique aqui para receber todos os conteúdos direto no seu Telegram: https://t.me/diarioantirracista

Dá pra se cadastrar nesse link e receber os conteúdos por e-mail também: https://bit.ly/TermineSeuCadastroNoDA 

Você também pode seguir o Samuel Emílio no Youtube para assistir aos vídeos do diário antirracista e também receba conteúdo pelo perfil do Samuel Emílio no Instagram!

Ver +

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *