Lazy depressed woman resting in couch with smartphone after making mess at home. Vector illustration for depression, addiction, apathy, fatigue concept

“DAQUI A POUCO EU FAÇO”: PANDEMIA E PROCRASTINAÇÃO

Você sabe que tem de fazer algo. Ainda sim, não consegue ir fazê-lo. A culpa e a autodepreciação aparecem, mas têm o efeito oposto do desejado: aumentam a procrastinação. Afinal, o que a pandemia tem a ver com procrastinar?

Por Lívia Gariglio

Ouça este conteúdo na íntegra

Bem, primeiramente, a pandemia e a necessidade de isolamento social possuem reflexos demasiadamente complexos, sendo um deles, os reflexos emocionais e psicológicos. Dessa forma, vários fenômenos ocorrem, como o luto coletivo e uma sensação de letargia e impotência.

Isso se reflete no modo com que encaramos as situações.

Consciente ou inconscientemente, nós acabamos priorizando as atividades que nos fazem evitar esses sentimentos negativos. Ou seja, ao invés de estudarmos, mandarmos aquele e-mail ou fazermos aquela planilha, por exemplo, vamos ver um filme, ler um livro, escutar uma música, jogar… ou apenas não fazemos nada, porque não conseguimos.

Vários fatores podem influenciar nisso: o perfeccionismo, a ansiedade (o sofrimento por antecipação, que acaba nos paralisando), pressão (seja ela interna ou externa), estresse, mudanças de rotina (e a não-adaptação a isso), sobrecarga, exaustão, cansaço, falta de gestão emocional, falta de organização do tempo, entre outros.

Inclusive, o momento atípico em que a gente vive, ainda mais considerando a situação pandêmica brasileira, pode vir a ser um agravante. A sensação de insuficiência, de pesar e de desnorteamento pode ser incapacitante.

E, como se não bastasse, existe uma explicação neurológica para isso: o sistema límbico (responsável pelas emoções) têm um efeito mais imediato no sistema de recompensa do cérebro (responsável pelo prazer ao comer chocolate, por exemplo). Já a parte do córtex pré-frontal (responsável pelo planejamento, tomada de decisão e controle inibitório), tem um efeito mais a longo prazo. Justamente por causa disso, quando estamos sem perspectiva ou motivação, procrastinar é quase automático.

https://www.hss.edu/protocols_it-works.htm.
Tradução: ‘9 Funções do Córtex Pré-Frontal’: 1. Empatia; 2. Discernimento; 3. Flexibilidade Cognitiva; 4. Regulação emocional; 5. Regulação corporal; 6. Moralidade; 7 Intuição; 8. Adaptação nas formas de se comunicar; 9. Modulação do Medo. Sistema Límbico: 1. Luta, fugir, congelar resposta ao estresse; 2. Pensa: “Eu estou em segurança? As pessoas me querem/necessitam?”; 3. Emoções se encontram aqui.

O que eu quero dizer é que você não está só. Não vou colocar frases motivacionais ou algo do tipo. O que funciona para mim não necessariamente funciona para você. E, sinceramente, foi com muito esforço que eu consegui reunir força de vontade o suficiente para escrever esse texto. Mas, se você me permitir um conselho, seria tentar entender o que te faz procrastinar e mensurar o quanto isso te prejudica.

Se você posterga algo para assistir uma série, gerindo o tempo você conseguiria fazer os dois. Mas, se você tem uma excelente organização de horários e mesmo assim não consegue fazer o que está em sua responsabilidade, pode ser algum outro fator.  É por isso que a autoanálise é tão crucial.

E se for algo que está te imobilizando, é recomendável procurar um acompanhamento psicológico.

Afinal, está tudo bem não estar bem de vez em quando.

Quer ler mais? Conheça estas referências:

Audiodescrição pro Juliane Cruz.

Ver +

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *