Entre pandemia, cinema e ensino remoto: curta-metragem explora a experiência de imigrantes equatorianos no Brasil durante a pandemia

Filme dirigido por jovem imigrante equatoriano que conta a história de imigrantes residentes no Brasil durante a pandemia foi selecionado para o festival “Curta em casa”

Por Jenny De La Rosa e Pedro Neves | Núcleo de Migrações da AJN

David Andrade, equatoriano, estudante de Física na USP, conversou com a AJN e compartilhou como foi o seu processo de construção e direção da curta “Quando não estamos” que faz parte do festival “Curta em casa”.

David Andrade / Arquivo pessoal

Nascido e criado em Quito, capital do Equador, o jovem migrou para o Brasil após terminar o ensino médio. Seu plano era desbravar a América Latina e estudar para o vestibular no Brasil:

Eu queria estudar na USP, esse era meu grande objetivo. Tive todo o suporte dos meus pais para me radicar em São Paulo e realizar este meu sonho

Neste processo de adaptação à cidade, o jovem foi conhecendo pessoas e se apaixonando por arte e ciência:

Ao mesmo tempo que ia conhecendo a cena audiovisual em São Paulo, fui me envolvendo em projetos e estudando para o vestibular. Acabei não entrando na USP, mas ingressei em Engenharia na Federal do Paraná

Ele se mudou para o sul do país, mas não era exatamente o que queria. Foi então que prestou vestibular de novo e conseguiu entrar na Universidade de São Paulo para cursar Física. 

O filme

O curta-metragem nasce antes mesmo da pandemia. David conta que já existia uma angústia entre seu grupo de imigrantes:

Sempre nos questionamos na maneira que o Brasil lida com os imigrantes. Quando estourou a pandemia, a cidade fechou. Neste momento, meus amigos imigrantes entraram em desespero por não saber o que ia acontecer com eles

Por causa desta preocupação e acompanhando o alto número de infectados no Equador, David resolveu compartilhar suas angústias:

Foi então que criei a curta e me deparei com o festival. Apesar da quarentena ter afetado muito o setor, existem vários projetos que tentam fomentar a arte, principalmente voltados a jovens

David não imaginava que seria selecionado, mas transbordou de alegria com a aceitação:

Como imigrante, tinha muita desconfiança que seria aceito. Minha percepção é que por não ser nativo e não ter tantos contatos, muitas vezes se apresentam dificuldades

“Quando não estamos”, curta selecionado para o festival “Curta em casa”, é uma iniciativa do Instituto Criar em parceria com o Projeto Paradiso. O tema que guiava o festival era a pandemia, e a abordagem escolhida por David em seu filme foi contar a história de imigrantes equatorianos residentes no Brasil.

Assista o filme:

Ver +

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *