Cortejo na trilha do Macunaíma

Texto e fotos:  Tales Jaloretto

José Bonifácio de Andrade Silva, poeta brasileiro, em 1823 disse “nós somos a amálgama, que é mais que uma mistura, é uma constante alquimia que se reinterpreta simultaneamente como a amazônica pororoca.”

E assim, as 16h30 do dia 09 de agosto de 2013, a Banda Marcial Caminho de Luz terminava seu concerto para a entrada do grupo OCA 1996 (e outros grupos) e suas alfaias, gonguês e chocalhos iniciando a trilha do cortejo. Neri Silvestre, ponteiro do Mistura e Gingada de Santo André, esclarece, “ponto de cultura são indivíduos, grupos que acreditam que todos devem participar da vida cultural do país, seja artista ou não: donas de casa, rezadeiras, parteiras, coquistas, velhos, crianças, jovens, negros, moradores de rua, etc; para isso se organizam em teias (regionais, estaduais e federais).

E se todo cidadão pode participar da vida cultural, o cortejo fez seu papel. Foram cerca de dois quilômetros de caminhada, saindo da Praça das Artes, na Avenida São João, em pleno Centro de São Paulo,  passando pelos cidadãos roqueiros da Galeria do Rock, pelos rappers e vendedores ambulantes até chegar ao palco na Barão da Itapetininga. Ali uniram forças ao Maracatu Rochedo de Ouro que se apresentava. E o cortejo seguiu e se aglomerou em frente o Teatro Municipal de São Paulo. Neste momento os grupos presentes já eram: Batucaia grupo de Percurssão; Orquestra de Berimbau Morro do Querosene; e As Valquírias.

A prefeitura de São Paulo ouviu os batuques, e por entre as ruas do centro velho, os comerciantes fotografavam e os moradores de rua dançavam, até chegar ao marco zero na Praça da Sé. O rufar dos tambores se misturava aos badalos da igreja. E por fim, em frente ao palco da Sé, todos em roda, salvaram o jongo Dito Ribeiro.

E outros que contem suas histórias. Cachoeira!

 

Veja a cobertura fotográfica na nossa pagina do Facebook

Evelyn Araripe é jornalista e educadora ambiental. Foi educomunicadora na Viração Educomunicação entre 2011 e 2014. Atualmente vive na Alemanha, onde é bolsista do programa German Chancellor Fellowship for tomorrow’s leaders e administra o blog Ela é Quente, que conta as histórias de vida de mulheres que estão ajudando a combater os efeitos das Mudanças Climáticas ao redor do mundo.

Ver +

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *