Conversa franca: ministra dos Direitos Humanos conversa com adolescentes educomunicadores

Texto: Kaique da Silva Alcântara  (GO) e Juliana Trindade (AM) | Imagem: Joaquim Oliveira (RS), adolescentes educomunicadores em Brasília

No dia 13 de julho de 2012 na sala vip do Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em Brasília (DF), rolou um bate-papo com   a ministra chefe da Secretaria dos Direitos Humanos Maria do Rosário Nunes.

A coletiva foi aberta com perguntas dos adolescentes educomunicadores .A primeira pergunta foi em relação   ao trabalho exercido pela Ministra dos Direitos Humanos . Com muita clareza , ela relata trabalhar como é trabalhar com direitos humanos. Ela explica que nesse contexto se encaixam  todos os seres Humanos e o tratamento de todos com igualdade, “independente de etnia, do lugar  onde nasceu , quem é o pai ou a  mãe, se vive com a família ou não”, afirmou a ministra.

Maria do Rosário disse ainda que a Secretaria de Direitos Humanos dialoga com outros ministérios na busca por garantir que os direitos humanos dos brasileiros não sejam violados e para reduzir as situações de violência. Ela tem a tarefa de estar atenta todo o tempo  ao fatos ocorridos na sociedade em geral para que jamais possamos estar deixando acontecer a violação destes direitos dentre nosso conhecimento.

Ela ressalta que todo o debate com os adolescentes seria levado na íntegra para a presidenta Dilma para que juntas estudem formas efetivas para regulamentar e implantar leis e estatutos que possam punir e inibir práticas de violência e exploração sexual de crianças e adolescentes para que tenham seus direitos garantidos.

Pautando a Ministra

A partir das perguntas realizadas pelos adolescentes, a ministra sentiu que aquele momento foi além de uma coletiva. Perguntas como a situação precária dos abrigos públicos que acolhem crianças e adolescentes, feita por uma das adolescentes educomunicadoras que vive nessa condição, sensibilizaram todos os presentes, inclusive a própria ministra que pediu que seus assessores tomassem nota dessa questão.

Outro item que fez com que Maria do Rosário pedisse a atenção de suas assessoria foi com relação ao preparo, muitos vezes insuficiente, de conselheiros tutelares ainda preconceitusos, tema levantado pelo adolescente Anderson dos Santos, da Paraíba. Os depoimentos e questões levantadas durante a coletiva foram compartilhados posteriormente pela própria ministra durante a comemoração dos 22 anos do Estatuto da Criança e do Adolescente.

Os principais pontos da entrevista com a ministra serão publicados na edição de agosto da Revista Viração.

 

 

 

 

 

Jornalista, professor e educomunicador. Responsável pelos conteúdos da Agência Jovem de Notícias e Revista Viração.

Ver +

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *