Conheça o Curso Gratuito ‘Internet e Desigualdades’

Formação autoinstrucional oferecida pela osc Ação Educativa tem inscrições gratuitas e certificação. Conheça o cronograma

O acesso à internet se tornou um marcador das desigualdades estruturais no Brasil e no mundo, ainda mais em tempos de pandemia. Pensar sobre os moldes da distribuição e a qualidade do acesso oferecido ao povo brasileiro, que reflete questões econômicas e territoriais que dialogam com a política neoliberal sob a qual vivemos no sul global é mais uma das questões urgentes para quem vive no mundo hiperconectado.

Foto: Luiza Castro/Sul21

O curso ‘Internet e Desigualdades’ busca oferecer uma introdução sobre os debates em torno das desigualdades no acesso, uso e desenvolvimento da internet. Através da curadoria de dados, reflexões e conceitos sobre a internet como catalisadora de direitos, discute desde infraestrutura e dispositivos até questões de raça, gênero e território.

O curso é gratuito e autoinstrucional, ou seja, pode ser feito em qualquer horário e no tempo definido pelo usuário. O Centro de Formação da organização disponibiliza certificado para quem concluir o ciclo.

‘Internet e Desigualdades’ está dividido em quatro módulos:

  • Módulo 1  – A Internet não é Virtual
  • Módulo 2 – A Internet é um Direito
  • Módulo 3 – Desigualdades Interseccionais
  • Módulo 4 – Defendendo a Internet (e a nós mesmos)

Sobre o formador do curso

Tarcízio Silva é mestre em Comunicação e Cultura Contemporâneas pela UFBA e realiza doutorado em Ciências Humanas e Sociais na UFABC, onde estuda imaginários sociotécnicos de resistência; além de especialização em andamento em Direito Digital (UERJ). Atualmente é recipiente de Tech + Society Fellowship (2020-22) da Fundação Mozilla, desenvolvendo projeto de promoção de direitos digitais e consciência pública sobre danos algorítmicos em parceria com a organização Ação Educativa.

Anteriormente liderou times de pesquisa digital em agências como PaperCliQ e IBPAD, do qual é também sócio e cofundador. Organizou publicações como Comunidades, Algoritmos e Ativismos digitais: olhares afrodiaspóricos (LiteraRUA, 2020), Estudando Cultura com Mídias Sociais (Editora IBPAD, 2018) e Monitoramento e Pesquisa em Mídias Sociais: metodologias, aplicações e inovações (Uva Limão, 2016).

Ver +

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *