Álcool que mata

Ao final do primeiro dia de debate foi levantado um assunto muito recorrente na sociedade atual: o consumo de álcool pela juventude. A mediadora da discussão levanta vários aspectos de uma pesquisa que aponta que de 2000 a 2010 houve um aumento de  47% de casos de morte por causa da bebida alcoólica. Dados de outra pesquisa, também mencionada durante a mesa, mostram que num universo de mil pessoas, 300 não bebem nada, 300 bebem moderadamente, 300 bebem regularmente e 100 pessoas bebem demais: em torno de 10 cervejas por dia. Este último público é responsável pelas 3.100 cervejas vendidas diariamente.

Um dos presentes deu um dado alarmante da Organização Mundial de Saúde (OMS): 47 pessoas morrem diariamente por causa do excesso de álcool, chegando a 3.500 pessoas por mês. Por isso, a OMS propõe algumas ações para restringir o uso de bebida alcoólicas, como o aumento do preço de impostos para bebidas, controle do acesso e disponibilização do álcool, aumento da idade mínima para o consumo, controle das propagandas, entre outros.

Ações de educação nas escolas, campanhas  publicitárias, medidas para não consumir bebidas em shows e autorregulação da indústria foram destacadas como mal sucedidas pelos participantes da mesa, de acordo com a OMS.

Alisson Rodrigues