Capilares, com Victor Capellari #02 – “Mamãe Falei” e o áudio vazado

O jovem comunicador Victor Capellari traz algumas de suas reflexões sobre o caso do deputado “Mamãe Falei” no segundo episódio de sua coluna de opinião na AJN. O episódio 2 das Capilares já está no ar! Ouça aqui e leia a versão em texto no site!

Ouça aqui:

Por Victor Capellari

Acredito ser de conhecimento geral as falas do deputado estadual paulista Arthur do Val, pré-candidato ao governo de São Paulo, acerca das mulheres refugiadas ucranianas, em sua dita missão humanitária para acompanhar a guerra com a Rússia. Depois de a merda ir parar no ventilador, e ele ser pressionado a cancelar sua ainda embrionária candidatura ao governo do estado,  não restou outra alternativa senão pedir desculpa e dizer estar emocionado.

O pior de tudo isso é que sair do holofote por um tempo pode ser só o que ele precisa  para preservar sua imagem. Por exemplo da nossa história recente: Fernando Affonso Collor de Mello, 32° Presidente do Brasil, de 1990 a 1992, renunciou para evitar um Impeachment. 

Anos depois, em 2007, acabou se tornando senador por Alagoas e foi, acreditem se quiserem, presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado de 2017 até 2019. Uma prova materializada da “memória curta” do brasileiro – uma dádiva para milhares de políticos ineficientes e corruptos.

Podemos aproveitar mais esse acontecimento para revisar nosso comportamento como humanidade, e tentar entender o que leva um homem a enviar um áudio como aquele para grupo de WhatsApp, inacreditavelmente pensando em sexo durante um guerra, com pessoas que perderam tudo que tinham, inclusive, em alguns casos, conhecidos e parentes.

Atualmente, qualquer tipo de conteúdo adulto se encontra a alguns poucos cliques na tela. Tela essa da qual não conseguimos desgrudar. 

Como se espera aprender a flertar, conversar civilizadamente e socializar com alguém, independente de seu gênero, se nosso cérebro se acostumou só com a rede e seus porões, onde vive o chorume que a sociedade tenta varrer para debaixo de um tapete do moralismo?

O que fazer quando um político acha que está tudo bem fazer comentários como os de Arthur do Val, pensando em se aproveitar da situação de miséria e vulnerabilidade de milhares de pessoas?

Nas palavras de Zygmunt Bauman:

Tudo é mais fácil na vida virtual, mas perdemos a arte das relações sociais e da amizade.

Esse é apenas um reflexo, um sintoma da doença da nossa sociedade, repleta de crianças mimadas que esperam “tudo na mão” e não sabem se relacionar com respeito ou escutar um não; uma sociedade que considera fraqueza um homem chorar ou falar de seus sentimentos, e obriga todos a manter uma postura de macho alfa. 

Não sei se você sabe, mas essa expressão surgiu do erro de um pesquisador que, observando lobos em cativeiro, intuiu que eles tinham o mesmo comportamento na natureza. Entretanto, não é assim: o verdadeiro lobo alfa é aquele que cuida da matilha e dos filhotes, e não aquele que manda áudio nojento enquanto anuncia estar em missão humanitária.

Quer ouvir mais? Confira o EP #01 das Capilares:

Capilares, com Victor Capellari #01 – O caso Monark

Ouça as Capilares e outros podcasts da rede AJN no canal Jovens Comunicadores na plataforma Anchor e nos principais tocadores.

Ver +

1 Comentário

  • O que esperar de uma pessoa com alcunha “Mamãe, falei”!!! Além disso, ele não é único a ter suposto namoro com mulher e, sentir necessidade de ter “grupo de brother” com quem tenta passar a imagem de “garanhao ou pegador”! A fala repugnante dele é de quem “não suportou”, presenciar Ucranianos Sexualmente Resolvidos: Formaram Familias e no Front de Guerra, incluindo o Presidente da Ucrânia, que Recusou deixar o País e as “asas” dos Estados Unidos, que o reverenciou por permanecer na luta e “in loco” num País devastado a cada dia, por Putin!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *