Nos bastidores do discurso das Filipinas

Por Giulia Carlini / Agência Jovem de Notícias

COP19, dia 1: Yeb Sano, o negociador das Filipinas anunciou uma greve de fome em solidariedade às vítimas do tufão Haiyan e falou emocionadamente sobre a situação de seu país, que se levaram negociadores e civis às lágrimas.

O que a maioria das pessoas não sabe é que depois do discurso ele foi acompanhado para a sua próxima reunião por um grupo de jovens, que visava apenas expressar sua solidariedade. A Segurança da ONU foi previamente informada e deu sua aprovação .

Alguns sinais de que os jovens haviam feito uma ação, foram mostrados. Eles só traziam os nomes das províncias danificadas pelo tufão e um cartaz provocou: “Quantos mais?”.

Após alguns segundos, dois membros da segurança tiraram os crachás de três dos jovens: Graham Hallett e Maria Alejandra Escalante da Earth in Brackets (Terra entre Colchetes), e Clémence Hutin, dos Jovens Amigos da Terra/Europa. Para quem não sabe, qualquer ação deve ser previamente aprovada pela ONU, sob o risco de se perder o crachá do evento e nunca mais conseguir entrar em um conferência da ONU.

Algumas associações já escreveram uma carta para Christiana Figueres (Secretária Executiva da UNFCCC – Convenção Quadro da ONU sobre Mudanças Climáticas) pedindo a reconsideração da retirada dos crachás.

A primeira semana da COP19 já terminou e nada mudou: Christiana, na reunião de inquérito intergeracional de quinta-feira , disse que não pode interferir nesta decisão.

Esperamos mudar a decisão da Segurança da ONU e deixar que esses jovens consigam seus crachás de volta, pois sua intenção era de, simplesmente, expressar apoio e solidariedade.

English version:

Behind the scenes of the Philippines speech

By Giulia Carlini/ Agência Jovem de Notícias

COP19, day 1: Yeb Sano, the negotiator of the Philippines, announced a hunger strike for the victims of Typhoon Haiyan and spoke emotionally about the situation of his country, moving negotiators and civilians to tears.

What most of the people may ignore is that after his speech he was accompanied by a group of young people to his next meeting, who wanted purely to express their solidarity. The UN Security was previously informed and gave its approval.

Some signs, which had been made for an action, were shown. They just had the names of the provinces damaged by the typhoon and one sign demanded: “How many more?”.

After a few seconds two members of the security “debadged” three of the holders: Graham Hallett and Maria Alejandra Escalante from Earth in Brackets, and Clémence Hutin from Young Friends of the Earth Europe.

Some associations have already written a letter to Christiana Figueres (UNFCCC Executive Secretary) asking for the reconsideration of the de-badging.

The first week of COP19 has already ended, and nothing has changed: Christiana, at the intergenerational inquiry meeting of Thursday, said she cannot interfere with this decision.

We do hope the UN security change its decision and let these young people have their badges back, as they were simply expressing their support and solidarity.

 

Italian version:

Il discorso delle Filippine che ha commosso il mondo: il dietro le quinte.

COP 19: primo giorno. Yeb Sano, il negoziatore delle Filippine, annuncia uno sciopero della fame per le vittime del tifone Haiyan e pronuncia un discorso che commuove il mondo.

Ciò che però molti non sanno è che, subito dopo il suo discorso, un gruppo di giovani l’ha accompagnato al suo successivo incontro, come gesto di solidarietà. La sicurezza delle Nazioni Unite era stata preventivamente informata del gesto e aveva concesso la sua approvazione.

Alcuni cartelloni, preparati per un’azione prevista per il giorno seguente (anch’essa già approvata dalla sicurezza), sono stati esposti durante il percorso. Contenevano semplicemente i nomi delle province devastate dal tifone, e su uno di essi campeggiava la scritta “Quanti ancora [ne accadranno]?”

Dopo qualche secondo due membri della sicurezza hanno tolto a tre ragazzi il pass che permette l’accesso alla COP, facendoli uscire: Graham Hallett e Maria Alejandra Escalante di Earth in Brackets, e Clémence Hutin di Young Friends of the Earth Europe.

Alcune organizzazioni hanno già provveduto a scrivere una lettera a Christiana Figueres (Segretaria esecutiva della Convenzione quadro dell’ONU sui cambiamenti climatici) chiedendole di riconsiderare la questione.

La prima settimana di COP è ormai finita, e la situazione non è ancora cambiata: Christiana, all’incontro sull’intergenerational inquiry tenutosi giovedì, ha dichiarato di non poter interferire in queste decisioni.

Speriamo che la sicurezza delle Nazioni Unite riveda la sua posizione lasciando finalmente entrare questi ragazzi, colpevoli solo di aver espresso la loro solidarietà alle Filippine.

 

Evelyn Araripe é jornalista e educadora ambiental. Foi educomunicadora na Viração Educomunicação entre 2011 e 2014. Atualmente vive na Alemanha, onde é bolsista do programa German Chancellor Fellowship for tomorrow’s leaders e administra o blog Ela é Quente, que conta as histórias de vida de mulheres que estão ajudando a combater os efeitos das Mudanças Climáticas ao redor do mundo.

Ver +

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *