Bate-Papo Cultural apresenta palestra sobre mulheres negras e trabalho doméstico

unnamed

A 80ª edição do projeto Bate-papo Cultural acontece com palestra e lançamento do livro “Libertas entre sobrados – Mulheres negras e trabalho doméstico em São Paulo (1880-1920)”, da historiadora Lorena Féres da Silva Telles. O evento será realizado no Arquivo Público e Histórico de Rio Claro, aberto à comunidade, na próxima terça feira, dia 27 de janeiro, a partir das 20h.

Graduada, mestre e doutoranda em História pela USP, Lorena Telles apresenta a metodologia que adotou para pesquisar o trabalho doméstico em São Paulo durante o século XIX, antes e depois da Abolição da escravidão, analisando a relação entre mulheres negras e a profissão de empregada doméstica. Segundo a autora, o livro remete ao período da Abolição no Brasil. “Comecei a pesquisar os processos de vagabundagem, como eram chamados na época. São históricos referentes às mulheres presas por vadiagem, considerada uma contravenção, registrados após a extinção da escravatura”, conta Lorena.

Conforme os registros policiais, tratavam-se de mulheres desempregadas, bêbadas ou que somente estavam pelas ruas. A extrema miséria se confundia com vagabundagem e prostituição que, agravados pelo racismo, culminava em prisão. A professora investigou também as antigas posturas municipais sobre criados, ou seja, a documentação das inscrições de empregados domésticos e contratos de trabalho. “Esses livros de registro surgiram em função de uma lei promulgada em 1886, dois anos antes do fim da escravidão, que teve o objetivo de regulamentar o trabalho doméstico livre”, explica Lorena.

Pelas descrições do empregado anotadas nas fichas como nome, filiação, naturalidade, tempo de serviço e salário, a escritora observou que aproximadamente cinquenta por cento dos inscritos eram mulheres negras. Algumas patroas identificavam as empregadas como “preta” e “liberta”, termos que indicam uma relação prévia de escravidão.

“Procurei entender como estas mulheres atuaram na transição do trabalho doméstico escravo para o livre” diz Lorena, ao destacar as lavadeiras, cozinheiras, engomadeiras, amas de leite, arrumadeiras, quitandeiras e o serviço doméstico geral onde a empregada cuidava da casa, das crianças e dos patrões. “O livro fala sobre sujeitos sociais silenciados durante a história”, completa.

Os relatos mostram o cotidiano de um trabalho mal remunerado e ininterrupto, onde a empregada, que morava na casa dos patrões, era muitas vezes a primeira a acordar e última a dormir. “Essas são heranças das relações de trabalho escravista”, analisa Lorena, e lembra também que a regulamentação da CLT para domésticas ocorreu há apenas dois anos no Brasil. Após a palestra será aberto uma discussão sobre o tema. Os interessados poderão adquirir o livro “Libertas entre Sobrados” no local pelo preço de R$ 40,00. O Bate-papo Cultural oferece certificado de participação e inclui sorteios de quites com produtos do Arquivo.

Mais informações podem ser obtidas pelo telefone 3522.1938. O Arquivo Público se localiza na Rua 6, 3265, Alto do Santana, no NAM – Núcleo Administrativo Municipal.

Ver +

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *