Aplicativo rastreia a participação feminina nas negociações do clima

Em 2009 o Relatório Sobre a Situação da População Mundial da ONU já dizia que as mulheres são uma das maiores impactadas pelas mudanças climáticas – seguidas por crianças, jovens e idosos. Um dos motivos é que em muitos países as mulheres representam a maior parte das trabalhadoras rurais. Com os efeitos climáticos extremos que temos visto mundo afora, como secas e enchentes acima do normal, muitos países estão perdendo as suas áreas produtivas, o que significa muitas mulheres perdendo seus trabalhos e fonte de renda e consequentemente diminuindo a oferta de alimentos para as suas famílias.

Mas mesmo sabendo da importância da mulher na agenda climática, as delegações dos países dentro dos processos de tomada de decisão da ONU são dominadas pelos homens. E para provar que isso não é apenas um “blá-blá-blá” feminista a WEDO, uma organização da sociedade civil internacional comprometida com a produção de informações e ações sobre mulheres e mudanças climáticas, lançou durante o “Dia de Gênero” na COP22 (Conferência das Partes das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas), o aplicativo “Gender Climate Tracker” (Rastreador Climático de Gênero).

appgender

Lá você pode ver a porcentagem de mulheres presentes nas delegações oficiais de cada país durante as negociações climáticas e também ter uma visão geral das iNDCs (Contribuições Pretendidas, Determinadas em Nível Nacional) de cada país, e saber se gênero é considerado ou não nas promessas dos países para combater as mudanças climáticas e reduzir suas emissões.

WEDO disse, em seu release de imprensa, que a ideia do Gender Climate Tracker é “empoderar os tomadores de decisão e advogar para a tradução de políticas em ação, e também responsabilizar os governos. Compilando políticas, mandatos, pesquisas, decisões e ações relacionadas à gênero e mudanças climáticas, o aplicativo busca destacar a questão de gênero como ponto chave para facilitar a implementação dos acordos internacionais”.

Evelyn Araripe é jornalista e educadora ambiental. Foi educomunicadora na Viração Educomunicação entre 2011 e 2014. Atualmente vive na Alemanha, onde é bolsista do programa German Chancellor Fellowship for tomorrow’s leaders e administra o blog Ela é Quente, que conta as histórias de vida de mulheres que estão ajudando a combater os efeitos das Mudanças Climáticas ao redor do mundo.

Ver +

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *