Pesquisa inédita revela o que crianças e adolescentes pensam sobre a cidade de São Paulo

IRBEM_debate_dest

Texto: Taynara Santana, da Agência Jovem de Notícias de São Paulo (AJN/SP) | Imagens: Pedro Neves, da Redação

O que pensam as crianças e os adolescentes sobre a cidade de São Paulo? A Rede Nossa São Paulo, em parceria com o Ibope e apoio do Instituto Alana e Instituto C&A, realizou uma pesquisa dos Indicadores de Referência de Bem-Estar no Município de São Paulo (IRBEM Criança e Adolescente). Na pesquisa de percepção, foram entrevistados 805 pessoas com idades entre 10 e 17 anos, sobre temas diversos, como: violência, participação ativa nas políticas públicas, lazer, reconhecimento de órgãos públicos do município, o que fazem nas horas livres, se utilizam ou não o transporte público na cidade, entre outros.

A apresentação dessa pesquisa foi realizada na manhã desta quinta-feira, 23 de julho, no Sesc Consolação, região central de São Paulo, com a presença do secretário municipal de Direitos Humanos e Cidadania, Eduardo Suplicy; a primeira-dama, Ana Estela Haddad, que debateram com os adolescentes Beatriz Stefanie, de 14 anos, e Jonathan Saints, de 17 anos da Plataforma dos Centros Urbanos e Viração, além do jovem Rodrigo Hermogenes, 19 anos, da Fundação Tide Setúbal .

Na abertura do evento, Maurício Broinzini, coordenador da Rede Nossa São Paulo, enfatizou que as crianças e os adolescentes precisam ser escutados pelos governantes antes de qualquer decisão que os envolva. No mesmo sentido, Isabella Henriques, do Instituo Alana, disse ser essencial que crianças e adolescentes participem da construção de políticas públicas e que a voz de meninas e meninos sejam mais consideradas.

Quem  também esteve presente foi o grupo “Matéria Rima”, que cantou o hino nacional em forma de Hip Hop. O grupo atua em mais de 15 escolas em Diadema, município da região metropolitana de São Paulo, com valorização da cultura e transformação educacional a partir da música.

Das 13 áreas avaliadas na pesquisa, as maiores notas foram atribuídas ao “acesso à Internet” (7,9),  à “educação” (7,3) e às “relações humanas” (7,1). A “segurança e proteção” foi a pior avaliada com nota média de 5,1. No geral, a nota média de avaliação de crianças e adolescentes sobre a vida na cidade de São Paulo foi de 6,2.

Hip_hop

Roda de conversa

No decorrer do evento ocorreu uma roda de conversa entre os adolescentes, Eduardo Suplicy e Ana Estela Haddad. Nesse momento, foram discutidos os aspectos da pesquisa que mais chamaram a atenção, entre eles as desigualdades alarmantes de gênero nas atividade no tempo livre: Enquanto meninos têm a liberdade para sair e jogar bola na rua com os amigos, as meninas que ficam em casa para fazer as atividades domésticas. Isso interfere diretamente na relação de cada um com a cidade, por isso, meninas tendem a avaliá-la mais negativamente. Além disso, também se falou sobre violência, conectividade nas escolas e nas praças e as oportunidades de lazer e cultura, em especial, nas periferias.

Por fim, o tema da redução da maioridade penal foi abordado nesse contexto como uma medida que representa grande retrocesso para o País. Suplicy, a pedido do mediador André Luiz, terminou a roda cantando uma parte da música “Homem na Estrada”, do grupo Racionais MCs.

Suplicy

Em entrevista exclusiva para a Agência Jovem de Notícias, o secretário Eduardo Suplicy ressaltou a importância do jovem se organizar na própria comunidade para ter uma voz ativa dentro do município. Finalizando, deixou bem claro sua preocupação para melhorar a educação, aumentar o número de creches e expandir os CEUs (Centros Educacionais Unificados) e cursos oferecidos para que possa atender às necessidades do jovem da periferia.

 

 

Jornalista, professor e educomunicador. Responsável pelos conteúdos da Agência Jovem de Notícias e Revista Viração.

Ver +

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *