Ação rápida e drástica contra a mudança climática é justificável para a grande maioria dos economistas

Pesquisa global com mais de 730 economistas conclui que os benefícios de agir sobre o clima superam de longe os custos

Do ClimaInfo

Os custos do aquecimento global chegarão a trilhões de dólares por ano em breve e devem superar de longe os custos da redução rápida das emissões. Esta é a opinião da maioria dos economistas com conhecimento em mudanças climáticas, de acordo com uma nova pesquisa internacional, conduzida pelo Institute for Policy Integrity da NYU School of Law. A maior parte dos entrevistados também acredita que a crise climática agravará a desigualdade dentro dos países, assim como entre os países.

A pesquisa do Instituto foi direcionada a todos os economistas que publicaram alguma pesquisa relacionada ao clima nas revistas acadêmicas mais conceituadas da área; 738 participantes, no que é provavelmente a maior pesquisa de todos os tempos sobre a opinião dos economistas sobre a mudança climática.

“Os economistas apoiam esmagadoramente a rápida redução de emissões, e estão otimistas quanto ao fato de que os principais custos tecnológicos continuam a cair”, disse Derek Sylvan, diretor de estratégia do Instituto e coautor da pesquisa.  “Há um claro consenso entre estes especialistas de que o status quo parece muito mais caro do que uma grande transição de energia”, disse Sylvan.

As preocupações dos economistas sobre os custos da mudança climática aumentaram desde a última vez em que o Instituto realizou uma pesquisa em 2015. Quase três quartos (74%) desses economistas dizem que se justifica uma ação “imediata e drástica” para reduzir as emissões, em comparação com 50% em 2015. A grande maioria (98%) acredita que agora é necessária uma ação drástica ou “alguma ação”.

“As pessoas que passam suas carreiras estudando economia estão de acordo em que a mudança climática será cara, potencialmente devastadora”, disse Peter Howard, diretor de economia do Instituto e também coautor da pesquisa. “Estas descobertas mostram um caso econômico claro para uma ação climática urgente”, disse Howard.

Agir rapidamente custa menos

Os custos são frequentemente citados como um motivo para atrasar ou evitar uma ação forte sobre a mudança climática, como o afastamento dos combustíveis fósseis. Mas a maior parte das estimativas se baseiam em modelos econômicos que têm sido criticados por muitos economistas por não darem conta dos impactos totais da mudança climática. A administração Biden, por exemplo, está atualmente conduzindo uma revisão do modelo de impacto climático usado pelo governo dos Estados Unidos.

A pesquisa sugere que os economistas estão formando consenso sobre as projeções que apontam que os danos econômicos gerados pela mudança climática atingirão US$ 1,7 trilhão por ano até 2025, e aproximadamente US$ 30 trilhões por ano (5% do PIB ou mais) até 2075 na maioria dos cenários.

76% dos entrevistados também esperam que a mudança climática prejudique não apenas a produção econômica em anos específicos, mas também a taxa de crescimento da economia global – o que significa um amortecimento permanente de nossas perspectivas se não agirmos rapidamente para reduzir as emissões.

Em contraste, o custo da redução de emissões caiu rapidamente à medida que o preço da geração de energia solar e eólica caiu, e 65% dos economistas esperam padrões semelhantes de redução de custos para outras tecnologias limpas.

Desigualdade 

Uma conclusão-chave da pesquisa é que se espera que a mudança climática aumente a desigualdade entre os países, assim como dentro dos países.

Os países em desenvolvimento têm menos recursos financeiros para lidar com os efeitos da mudança climática, e as pesquisas existentes sugerem que eles também estão desproporcionalmente expostos aos efeitos mais severos de uma atmosfera mais quente.

89% dos participantes da pesquisa acreditam que a desigualdade global é provável ou muito provável que aumente devido aos efeitos da mudança climática. Além disso, 70% dos entrevistados acham que a mudança climática aumentará a desigualdade na maioria dos países – aumentando a distância entre o terço mais pobre e o terço mais rico das populações nacionais.

Apoio às emissões líquidas-zero 

Dois terços dos entrevistados concordaram que os benefícios de atingir emissões líquidas zero até meados do século provavelmente superarão os custos, com apenas 12% de discordância. Esta meta ambiciosa de se atingir o nível zero líquido corresponde aos objetivos do Acordo de Paris, que procura limitar os aumentos de temperatura a 1,5°C – 2°C.

Nota sobre a metodologia de pesquisa

O estudo “Gauging Economic Consensus on Climate Change” de 2021 identificou 2.169 economistas que publicaram um artigo relacionado à mudança climática em uma revista econômica altamente classificada. A pesquisa recebeu uma taxa de resposta de 34%. O estudo anterior, em 2015, identificou 1.103 especialistas, e teve uma taxa de resposta semelhante (33,1%) a esta pesquisa.

Enquanto a pesquisa de 2021 introduziu algumas novas perguntas para refletir os desenvolvimentos na ciência e política climática, várias perguntas foram idênticas, a fim de acompanhar as mudanças de sentimento.

A pesquisa utiliza a metodologia de “elicitação de especialistas”, que demonstrou ter um desempenho superior a outras abordagens de previsão, tais como a deliberação de especialistas (que frequentemente sofre de efeitos de “pensar em grupo”).

Ver +

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *