A periferia retratada em cartões postais: campanha virtual mostra as belezas das favelas de Salvador

Fonte Adital 

Considerada uma das cidades mais turísticas do Brasil, Salvador tem belezas que vão muito além do Pelourinho. Belezas que atravessam vielas, cruzam becos, sobem ladeiras e encontram a vida, as cores e as impressões de diversas comunidades que, de tão ricas em imagens, também podem ser retratadas em cartões postais. É esta a proposta dos “Postais das Periferias”, uma campanha do Grupo de Jovens Comunicadores Mídia Periférica, que busca valorizar as muitas comunidades e favelas baianas.

Em entrevista à Adital, Enderson Araújo, diretor do Mídia Periférica e responsável pela campanha explica que a iniciativa não é de incentivo, mas de valorização dos pontos positivos das comunidades, como suas ‘quebradas’ e ‘malocas’. Pode-se comprovar tudo isso visitando a página do grupo na rede social. Recentemente, foi publicado o segundo postal da periferia, um registro de um lindo pôr do sol na comunidade de Castelo Branco, em Salvador.

“Eu e uma amiga do ‘Mídia Periférica’ queríamos criar uma campanha para valorizar as periferias, e acabou surgindo a ideia de publicar fotos das comunidades e transformá-las em Postais em nossa página do Facebook”, conta Enderson sobre como surgiu a ideia.

Para participar, qualquer pessoa pode fazer um registro fotográfico de sua comunidade e escrever um pequeno texto de, no mínimo, três linhas, explicando/contando qual a sua visão daquele local. As imagens podem ser postadas na página do grupo no Facebook, ou enviadas para o e-mail midiaperiferica@gmail.com e publicadas no blog do grupo.

A grande preocupação do Mídia Periférica em chamar a atenção para as comunidades carentes está baseada no fato de que a principal fonte de renda de Salvador está no turismo. “Quando o turista chega à capital, vai para o Pelourinho, para o Farol da Barra, só para os lugares que a mídia mostra.”, relatou.

Para o grupo, o mais importante é quebrar o paradigma de que em Salvador, só há beleza nos pontos turísticos tradicionais e que, diferente do que os meios midiáticos exibem, a violência não é predominante nas comunidades.

“Muitas vezes, quando pessoas que moram nas periferias estão em uma entrevista de emprego e são perguntadas onde residem, por exemplo, quando dizem que moram na comunidade de Sussuarana [periferia de Salvador], são mal vistas”. Por isso, Enderson explica que os/as moradores/as que sofrem por conta da discriminação geográfica e da marginalização de suas comunidades serão beneficiados, através da campanha, com a elevação de sua autoestima.

Para o entrevistado, o papel dos/as jovens nesse processo de valorização da periferia é essencial, pois, além de terem muita energia, são os que mais utilizam as redes sociais, mídias virtuais e alternativas. “De acordo com pesquisas recentes, redes sociais como Facebook, Twitter, e outros, são um dos meios mais eficazes para disseminar rapidamente informações e a geração de jovens é que mais utiliza essas ferramentas”, assinalou Enderson.

Mas a campanha não deve parar pelas redes sociais. De acordo com Enderson, o objetivo é apresentar a ideia às autoridades e órgãos públicos e mobilizá-los para formalizar a criação de postais das periferias. Ademais, a iniciativa busca apoio financeiro para que o acervo fotográfico seja impresso e divulgado.

Por todo esse trabalho de valorização e estímulo ao turismo nas favelas, a iniciativa da criação de cartões postais das periferias de Salvador é tão pertinente. Através da mobilização e participação dos/as moradores e da criação dos postais, espera-se que o apoio financeiro venha de órgãos públicos, como a Secretaria da Cultura, para que as periferias também entrem na rota de turismo.

“Nós [periferias] também temos os que os/a turistas apreciam: artesanato, comidas típicas, lugares bonitos. Desejamos que venham conhecer tudo isso e levar o burburinho para suas cidades e até mesmo seus países. Já está na hora de quebrar essa imagem que a periferia só tem violência e presenciar o que realmente acontece nas comunidades”, pontuou.

Para conhecer mais sobre o grupo, acesse: www.midiaperiferica.blogspot.com

 

Ver +

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *