A fusão perfeita: Dia mundial do rim e a saúde da mulher

Por: Jefferson Rozeno da Agência Jovem de Notícias

O mês de março é marcado por datas importantes, entre elas o Dia Mundial do

Rim, que a cada ano aborda um tema diferente. Em virtude do Dia Internacional da Luta da Mulher, comemorado em 8 de março, a campanha de 2018 é “Saúde da Mulher – Cuide dos seus Rins”.

A celebração na mesma data não é uma coincidência. A visibilidade do 8 de março é uma oportunidade de pautar, junto ao público feminino, o cuidado dos rins, que não são amplamente contemplados nas pautas de saúde pública da mulher.

Estimativas da Sociedade Internacional de Nefrologia (SBN) indicam que a doença renal crônica afeta 10% da população brasileira e aproximadamente 195 milhões de mulheres em todo o mundo, sendo a oitava principal causa de morte entre o sexo feminino, com cerca de 600 mil vítimas fatais por ano.

O objetivo da campanha  é enfatizar a importância da prevenção e do tratamento da doença renal crônica em mulheres e, principalmente, a dificuldade de acesso aos cuidados com os rins. A nefrologia, é um campo da saúde que geralmente se encontra fora das principais discussões de saúde e prevenção no Brasil, embora seja um dos que mais afetam a população.

Atualmente, os maiores causadores de incidência renal crônica são quadros de diabetes e hipertensão arterial, este último, é o que mais afeta os rins. Dados recentes divulgados no levantamento realizado pelo Ministério da Saúde, em parceria com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), revelam que a hipertensão arterial (pressão alta) atinge principalmente o sexo feminino (44,5%) – são 34,4 milhões de mulheres portadoras dessa enfermidade crônicas.

O uso de anticoncepcionais, menopausa e gravidez são fatores que podem desequilibrar ainda mais a balança. Vale lembrar que além deste recorte de gênero, existe também a relação étnico racial, ou seja, mulheres negras estão mais propensas a desenvolver um quadro de hipertensão e por consequência enfermidades renais.

Após sofrer de complicações renais, a educadora física e técnica de nutrição e dietética Ana Carolina ,22,  conta sobre a importância da prevenção: Eu sentia dores muito fortes, que chegavam a provocar desmaio e demorei muito pra saber o diagnóstico do que eu tinha, se eu tivesse feito os exames meses antes, teria a oportunidade de me prevenir e até evitar o mal que estava por vir

Para prevenir a Doença Renal Crônica, é importante praticar exercícios físicos regularmente, controlar o nível de açúcar no sangue para evitar o diabetes, monitorar a pressão arterial, manter uma alimentação saudável, evitar o sobrepeso, se hidratar, não se automedicar e, sempre que possível, realizar exames de rotina e consultar um médico frequentemente para verificar a situação dos rins.

 

 

Agência Jovem de Notícias

Ver +

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *