A FORMA DA COP26

Gaetano Sciarotta

Tradução: Monise Berno

Depois de quase duas semanas de negociações, agora é hora de avaliações: nunca antes estive tão sobrecarregado com a simples ideia de ter que tirar conclusões daquilo que vivi nos últimos dez dias.

Não há dúvida de que a COP26 é de longe uma das experiências mais desorientadoras que já tive. Não por causa de seu objetivo gigantesco, não por causa do simples fator quantitativo-humano, mas por causa de sua forma.

Chegando aqui, eu esperava que o formato da COP26 fosse como o de uma calculadora: com centenas de milhares de vozes competindo para fornecer seus dados, e então alguém que, girando uma manivela, os despejaria na forma de tantos resultados para o mundo com todas as suas implicações positivas e / ou negativas. Minhas expectativas não poderiam estar mais longe da realidade.

À primeira vista, a COP26 assumiu a forma de um dado de faces infinitas, rolando, criando uma alternância constante de teses e antíteses, cuja magia se detém quando surge a pedra hóspede, a falta de síntese.

Normalmente, esse fato não me incomodaria muito, mas desta vez as profundas diferenças entre todos os níveis de interpretação possíveis eram tantas e tão profundas que por dias tive a sensação de que devia haver algo que estava faltando, um pedaço de o quebra-cabeça que não me permitiu focar no todo.

Mas a simplicidade não é em si um valor, e durante a repetição diária de nossa rotina, a forma dos dados deu lugar a uma realização – COP26 não tem forma. Como poderia ser diferente?

A COP26 é a tensão entre o desejo e a ética de liderar pelo exemplo e a necessidade de pragmatismo nas negociações. O magnetismo entre os pavilhões de quem tem que vender, atraente e otimista, e de quem tem que comprar, funcional e minimalista. O contraste entre as cores de ativistas, indígenas e artistas fluindo pela elegância esclerosada dos burocratas cinzentos. A proliferação de línguas faladas entre os corredores e seu achatamento em inglês quebrado na frente de um microfone. A força do coro de protestos que dá lugar à troca cordial de cartões de visita ao entrar na Zona Azul.

Para além das negociações, que são sem dúvida a parte mais importante desta conferência, a aparente indefinição da COP26 obriga-nos a estudar a sua complexidade, apreciando as suas explosões de vida e criticando o seu lado uniformizador, monótono e exclusivo.

Não sei como um evento dessa magnitude pode ser diferente ou melhor, e eu não poderia dizer como ele pode ser transformado, mas estou absolutamente certo de que simplesmente fazer essas perguntas já gera valor em si mesmas.

Ver +

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *