98 filmes dedicados à temática socioambiental para assistir online

Mostra Ecofalante de Cinema, o maior evento audiovisual sul-americano  chega à sua 9ª edição de forma totalmente online e gratuita até 20 de setembro. Programação inclui debates com diretores e premiação para estudantes brasileiros

A programação do mais importante evento audiovisual sul-americano dedicado às temáticas socioambientais reúne 98 títulos, muitos deles inéditos no Brasil. No total, estão representadas as cinematografias de 24 países.

A grade de programação prevê novidades diárias, com até 11 diferentes sessões por dia. Ao longo das seis semanas do evento, os títulos ficam disponíveis sempre às 15h00, por períodos de 24 horas, com até cinco dias de exibições cada um.

Todas as exibições e entrevistas poderão ser acessadas na plataforma Ecofalante pelo endereço www.ecofalante.org.br e os debates serão transmitidos ao vivo no Facebook (facebook.com/mostraecofalante) e no Youtube (youtube.com/mostraecofalante). Os filmes também poderão ser acessados pela Videocamp e pela Spcine Play.

Os filmes programados trazem a assinatura de cineastas consagrados, como os brasileiros Lírio Ferreira (“Acqua Movie”), Daniela Thomas (“Tuã Ingugu (Olhos d’Água)”), Jorge Bodanzky (“Ruivaldo, o Homem que Salvou a Terra”), Wolney Oliveira (“Soldados da Borracha”), Estêvão Ciavatta (“Amazônia Sociedade Anônima”) e Petrus Cariry (“A Jangada de Welles”).

Estão incluídas obras selecionadas em eventos internacionais de prestígio, como o Festival de Cannes, onde foram apresentados o francês “Botando pra Quebrar”, de Lech Kowalski, exibido na Quinzena dos Realizadores, e o brasileiro “Indianara”, de Aude Chevalier-Beaumel e Marcelo Barbosa, que concorreu à Palma Queer.

Entrevistas, debates, masterclass e formação

Uma série de dez entrevistas com diretores internacionais com filmes nesta edição da Mostra Ecofalante de Cinema é disponibilizada ao longo da programação. Também serão realizados debates virtuais, reunindo ativistas, cientistas e especialistas que discutem, entre outros temas, ativismo, consumo, economia, emergência climática, povos e lugares, tecnologia e trabalho. Os debates serão realizados sempre às quartas-feiras e sábados, conforme a programação abaixo:

15/08 (sábado), às 19h: Economia – Financeirização do Mercado Imobiliário

19/08 (quarta), às 19h: Economia – Privatização da água e interesses corporativos

22/08 (sábado), às 17h: Emergência climática – Emergência climática e o Green Deal

26/08 (quarta), às 19h: Ativismo: Ativismo em tempos não-democráticos

29/08 (sábado), às 19h: Trabalho: Aceleração da precarização e Sinais de Resistência

02/09 (quarta), às 19h: Povos e Lugares: Migrações no século 21

05/09 (sábado), às 19h: Consumo: É possível mudar o paradigma do consumo?

09/09 (quarta), às 19h: Tecnologia: Qual é a real influência dos influencers?

A programação inclui ainda uma Masterclass com Cristina Amaral, responsável pela montagem de filmes de diretores como Andrea Tonacci, Carlos Reichenbach, Edgard Navarro Filho, Carlos Adriano, Guilherme de Almeida Prado, Lina Chamie, Denoy de Oliveira, Joel Yamaji e Raquel Gerber, entre outros. A masterclass acontece no mês de setembro, em data e horário a serem anunciados.

Já uma atividade de formação é ministrada pelo cineasta e curador Francisco Cesar Filho, diretor dos longas-metragens “Augustas” e “Futuro do Pretérito – Tropicalismo Now!” e organizador de diversos eventos. Em aula aberta a interessados, são abordados aspectos ligados à organização de mostras e festivais, como a formatação de projeto, curadoria, produção e comunicação, entre outros. A data, assim como o processo de inscrição dos interessados, serão divulgados oportunamente. 

Competição Latino-Americana

Com um total de 25 títulos, produzidos na Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia e Peru, a Competição Latino-Americana reúne sete obras inéditas no Brasil e outras três nunca exibidas em festivais. O melhor longa-metragem é premiado com R$ 15 mil e o melhor curta ou média-metragem com R$ 5 mil, categorias que recebem também o prêmio do público.

O júri é formado pelas cineastas Caru Alves de Souza (“Meu Nome é Bagdá”), Beth Formaggine (“Angeli 24 Horas”) e pela diretora, dramaturga e atriz, Grace Passô (a confirmar). Entre os destaques desta seção está “Acqua Movie”, mais recente longa-metragem do pernambucano Lírio Ferreira (de “Baile Perfumado”), com roteiro assinado por ele, Paula Caldas e Marcelo Gomes.

Acqua Movie / Divulgação

Concurso Curta Ecofalante premia estudantes

O Concurso Curta Ecofalante reúne filmes de curta duração realizados por estudantes brasileiros. Concorrem ao prêmio de melhor filme, no valor de R$ 4 mil, além do prêmio do público, 24 produções. Nesta edição, que tem apoio do WWF-Brasil, os filmes inscritos precisavam abordar temáticas relacionadas a pelo menos um dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) propostos pela ONU na Agenda 2030 – são 17 objetivos que abrangem temas como erradicação da pobreza, saúde de qualidade, combate às mudanças climáticas e igualdade de gênero.

As obras são avaliadas por um júri composto pelo cineasta Felipe André Silva (de “Passou”), a pesquisadora e curadora Kênia Freitas e Gabriela Yamaguchi, diretora da Sociedade Engajada da WWF-Brasil. Foram selecionados 10 títulos totalmente inéditos em festivais:

“Ângelo” (de Mariana Machado), “Cancha – Domingo é Dia de Jogo” (Welyton Crestani), “Cerrado de Volta: A Restauração na Chapada dos Veadeiros” (Cleisyane Quintino), “Cidade De Quem Corre” (Fernando Martins), “Como Se Fossem Máquinas” (João de Mari), “Contratempos” (Matheus Santos), “Correntes (Charles dos Santos), “Desculpe Interromper o Silêncio de Sua Viagem (Maiara Astarte), “Território: Nosso Corpo, Nosso Espírito” (Clea Torres e João Paulo Fernandes) e “Vidas que Correm” (do Coletivo de Alunos, de Jundiaí, SP). Os demais 14 curtas que completam a competição integraram eventos no Brasil ou no exterior.

Clássicos e Premiados

Programa novo da Mostra, o Clássico e Premiados traz 18 filmes considerados clássicos do cinema socioambiental brasileiro ou que foram premiados em eventos no Brasil e no exterior. São documentários e longas-metragens de ficção produzidos entre 1974 e 2018.

Ver +

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *