A arte em destaque é de autoria da Ana Luíza: https://imnotyourqueen.tumblr.com/

5 livros sobre racismo que todo jovem deveria ler

Uma das formas de lutar contra à estrutura racista é estudando. Assim, a Agência Jovem de Notícias reuniu 5 livros fundamentais para nesta tarefa.

Por Mariana Assis

O estudo Desigualdades Sociais por Cor ou Raça no Brasil, feito pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2019, destrincha as drásticas desvantagens socioeconômicas e sociais da população preta em relação à branca. No que diz respeito ao trabalho, por exemplo, a porcentagem de pessoas brancas em ocupações informais era de 34,6% em 2018. Quando comparado, no entanto, aos negros o  percentual subiu para 47,3%.

O nível de escolaridade também não é democrático. Se para os jovens brancos entre 18 a 24 anos o número dos que estejam cursando nível superior chega a 78,8%, para os negros alcança 55,6%. 

Ainda segundo os dados da pesquisa, em 2018, 44,5% da população preta vivia em domicílios com a ausência de, ao menos, um serviço de saneamento básico (coleta de lixo, abastecimento de água por rede e esgotamento por rede), enquanto que o percentual para os brancos era de 27,9%. 

A breve apresentação dos dados do panorama societário brasileiro revela que o racismo estrutura os vários âmbitos da vida social e traz consequências duras aos negros. Entretanto, engana-se quem acha que a luta por um país mais justo e igualitário depende, unicamente, dos oprimidos. Cabe a todos nós, cidadãos, nos opor ao racismo e praticar posicionamentos antirracistas.

O assassinato de Georg Floyd, no dia 25 de maio deste ano, cuja morte foi provocada por sufocamento de um policial branco em Minneapolis, na Carolina do Norte (EUA) é simbólica para se ter ideia de como o racismo atua sobre os negros.  Ainda que suplicando “Não consigo respirar”, Floyd foi asfixiado após ser imobilizado e ter seu pescoço pressionado pelo joelho do policial durante minutos, e não resistiu.

Desde então, as ruas dos Estados Unidos foram tomadas por protestos em repúdio não só ao ocorrido, mas também pela violência histórica que priva os negros de ter cidadania plena. As manifestações tiveram eco também no Brasil, onde várias cidades do país externaram indignação pelo assassinato do jovem João Pedro,14, alvejado dentro de casa no Morro do Salgueiro, região metropolitana do Rio de Janeiro.

O ato #VidasNegrasImportam pedia que a população preta e pobre não fosse mais alvo de operações policiais sem justificativa. Sendo a favela a principal mira do Estado quando o assunto é repressão contra o tráfico de drogas, só em abril deste ano a polícia matou 43% a mais do que o mesmo período do ano passado, segundo dados do Instituto de Segurança Pública e analisados pelo Observatório de Segurança.

Os atos tiveram grande repercussão e levaram às redes sociais a serem palco de manifestações contra o racismo. No entanto, pouco se discutiu com sinceridade e arcabouço bibliográfico sobre o que é o racismo e as decorrências dele para a sociedade.

Políticas públicas, como a lei de cotas nas universidades públicas, configuram como caminho para atenuar e, progressivamente, diminuir os efeitos do racismo na sociedade. Uma das formas de lutar contra à estrutura racista é estudando. É necessário compreender como as ferramentas racistas são mobilizadas e se perpetuam nas relações sociais. Assim, a Agência Jovem de Notícias reuniu 5 livros fundamentais para nesta tarefa. Confira:

Pequeno Manual Antirracista – Djamila Ribeiro

Neste livro, a filósofa e ativista Djamila Ribeira estabelece diálogo de temas como negritude, branquitude, violência racial, cultura, desejos,  afetos e a atualidade do racismo. O pequeno manual apresenta reflexões para desvelar as nuances da estrutura racista e chamar atenção ao fato de que a luta antirracista precisa ser de todos.

O que é Racismo Estrutural? – Silvio Almeida

Já na introdução, o autor adianta ao leitor que o racismo sempre é estrutural, isto é, vai incidir sobre todas as áreas de organização política e econômica da sociedade. Assim, o livro apresenta aspectos históricos, jurídicos, econômicos, políticos, sociais para subsidiar o entendimento de como o racismo é central no Brasil.

Memórias da Plantação – Grada Kilomba

A partir de episódios cotidianos de racismo, a autora discorre sobre a violência que o racismo estabelece na vidas dos negros, seja pela depreciação do cabelo e corpo, como da cultura e própria exclusão social de espaços de poder e liderança, até mesmos à  linguagem que pode servir de ferramenta para perpetuar opressões.

Mulheres, Raça e Classe – Angela Davis

A filósofa Angela Davis é um ícone na luta pelos direitos civis. Neste livro, ela traça um panorama histórico em que trata do legado da escravidão e a condição da mulher estadunidense nesse espectro, raça e classe, significado da emancipação para mulheres negras, sufrágio feminino, entre outros temas.

Tornar-se Negro – Neuza Santos Souza

O livro é um clássico quando o assunto é as consequências do racismo no emocional de pessoas negras e como é estar em um corpo que é marcado por violências e depreciações. Neuza Santos Souza foi uma grande psiquiatra, psicóloga e escritora negra brasileira.

A arte em destaque é de autoria de Ana Luíza / Reprodução The Valkirias

Ver +

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *