3ª CNJ acontece no DF e participantes sofrem repressão policial

Jovens Comunicadorxs da Amazônia

Mais de 2 mil jovens de norte a sul do país prestigiam a 3ª Conferência Nacional de Juventude, que tem como tema “As Várias Formas de Mudar o Brasil”, sediada em Brasília (DF) no estádio Mané Garrincha, de 16 a 19/12.

Comunicadorxs com Pepe Mujica e Lucia Topolansky

Participantes da cobertura colaborativa tiveram um momento com o ex-presidente e atual senador do Uruguai José Pepe Mujica e a senadora, também uruguaia, Lucia Topolansky, durante entrevista coletiva no espaço internacional da conferência.

Estavam presentes na coletiva diversos movimentos, entre eles Projeto Jovens Comunicadores da Amazônia, da Unipop, Desabafo Social, Rede Nacional de Adolescentes e Jovens Comunicadoras e Comunicadores, Coletivo Maracá, entre outros.

A jovem comunicadora Marinéia dos Anjos Ferreira perguntou a Mujica qual a análise dele com relação ao atual cenário político brasileiro, em que enfrentamos uma onda de retrocessos de direitos. Ele explicou que o capitalismo e seu modelo de gestão administrativa é o principal causador da crise econômica e que o Brasil não cuida da sua riqueza natural.

Solenidade de abertura e apoio à presidenta

A solenidade de abertura contou com a presença da presidenta Dilma Rousseff e de ministros, além do Secretário Nacional de Juventude, Gabriel Medina, e do presidente do Conselho Nacional de Juventude (Conjuve) Daniel Souza. Dilma fez referência ao momento político em que o país passa, em que o fundamentalismo ganha espaço, ao mesmo tempo em que os movimentos questionadores têm dado uma resposta a tudo isso. Nesse contexto, a presidenta citou a primavera feminista.

Dilma foi recebida com muitos aplausos e palavras de ordem contrárias ao golpe político e de apoio a ela. Em seu discurso, chamou disse que não se constrói um país melhor reduzindo a maioridade penal e fechando escolas.

Noite cultural e criminalização das juventudes

O primeiro dia da Conferência foi encerrado em grande estilo ao som do Rapper Emicida e com a participação de Karol Conká, Drik Barbosa e MC Rico Dalasam.

Durante apresentação do rapper Emicida, no espaço da cultural da conferência o Estádio Mané Garrincha foi cercado pela polícia militar de Brasília, que impediu a entrada de jovens que estavam fora do estádio. O fato provocou a interrupção do show e causou revolta nos jovens. Na saída do evento, os participantes do show encontraram os olhares fardados e armados do Estado, e a eles direcionaram palavras de ordem e protestos.

No segundo dia (17) de conferência, enquanto jovens se preparavam e esperavam o transporte para chegar até o estádio, foram surpreendidos pela notícia do cancelamento temporário da conferência em razão do bloqueio do estádio Mané Garrinha pela polícia.

Diante do acontecimento, podemos afirmar que o movimento arquitetado pelo Governo do Distrito Federal de criminalização e repressão das juventudes, nos faz afirmar que parece e que alguns sujeitos não têm o interesse político de ver o fortalecimento das juventudes na lutar pelos seus direitos.

Depois de um longo período de espera os participantes foram orientados a irem para frente do estádio até finalmente a abertura do portão ser autorizada. Com isso foi retomado o evento. Esperamos que um novo tumulto não seja causado nos dias restantes de conferência.

Bruno Ferreira
Jornalista, professor e educomunicador. Responsável pelos conteúdos da Agência Jovem de Notícias e Revista Viração.

Ver +

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *