Brô MC’s mandam o papo em show no Sesc 24 de Maio

| Por Wesley Matos e Carla Andrade, da Agência Jovem de Notícias de São Paulo |

 

No último domingo (20), um grupo de jovens indígenas Guarani Kaiowá, da região de Dourados (MS), apresentaram na inauguração do Sesc 24 de Maio as músicas de seu EP “Brô Mc’s”.

O Brô MC’s é o primeiro grupo de Rap indígena do Brasil e traz como narrativa o preconceito e o racismo diário que sofrem os Guarani Kaiowá, o espírito guerreiro de seu povo e questões sobre onde vivem, utilizando os idiomas português e guarani.

Dani Muniz, backing vocal do Brô Mc’s, falou que o estado do Mato Grosso do Sul é o que mais mata indígenas, por conta dos conflitos de terra. Entre 2003 e 2013, um intervalo de 10 anos, levantamentos feitos pelo Conselho Indigenista Missionário (Cimi) mostram que 563 indígenas foram assassinados no Brasil, sendo que 317 das mortes ocorreram no Mato Grosso do Sul.

“Hoje a gente canta, tem outra perspectiva, mas o nosso povo está lá. A nossa ideia principal é dar voz pra essa galera que ficou”, diz Muniz.

A força com que expressam o dia-a-dia de seu povo é de extrema importância para a construção da identidade e empoderamento, para que a luta contra o preconceito e pela defesa dos direitos indígenas se fortaleça.

No repertório, músicas como “Eju Orendive” exaltam, de maneira direta, a necessidade de dialogar sobre a questão indígena em todas as esferas da sociedade brasileira.

Este texto é resultado da cobertura educomunicativa da inauguração do Sesc 24 de Maio, realizada por adolescentes e jovens do projeto Agência Jovem de Notícias e da Viração Educomunicação, em parceria com o Sesc São Paulo.