Home da viração| Viração World| Revista| Assinatura| Contato
Fundo Direitos Humanos
RejupeSP
18 Razões

Login

Senha

Esqueceu a Senha?

Edição do Mês

Os jovens e a política pública PDF Imprimir


14, novembro 2011 - 13:51

Por: Diego Teofilo

Todos os dias os jovens estampam as capas de jornais e os grandes noticiários de TV com histórias negativas e a concepção da juventude que se arquiteta é o jovem como principal agente de violência, logo a população assimila diretamente esta idéia jovem/violência.

Há alguns anos a temática juvenil vem ganhando visibilidade na sociedade, isso nos permite analisar o campo de juventude de forma mais qualificada e verificar a situação do jovem no Brasil, mas para além do que as mídias se propõem que é somente vincular os jovens a violência.

O reconhecimento do jovem como sujeito de direitos passa pela construção de uma nova imagem do jovem, criação de políticas públicas e principalmente garantindo os direitos básicos como: saúde, educação, segurança entre outros. A participação da juventude nesse processo é fundamental para o fortalecimento dessa nova imagem do jovem enquanto protagonista.

Confira o artigo do estudante de história Diego Teófilo, sobre a relação dos jovens com a política pública:


 

OS JOVENS E A POLÍTICA PÚBLICA *

 

Por Diego Teófilo

Acadêmico de História,

Militante da Juventude Cabocla Socialista do Pará,

Coletivo Caboclo Monique Lopes, e

 apoio administrativo do Instituto Universidade Popular – UNIPOP 

 

Dialogar sobre as questões referentes ao universo juvenil é sempre fazer uma viagem, pelo simples fato de que a temática envolve uma diversidade de debates, discursos, análises e questionamentos. A efervescência do momento, os espaços de participação governamentais e não governamentais (ONGs) criados para os jovens nos levam a fazer diversas reflexões, avaliações, proposições, enfim, dialogar com mais intensidade sobre o tema e levando em consideração a sua complexidade.

            Em 2004, uma pesquisa realizada pelo Instituto Cidadania, que inclusive foi uma das primeiras instituições que desenvolveu estudos sobre a temática juvenil no Brasil, trouxe-nos uma riqueza de informações por meio do Projeto Juventude.  Uma das informações que me chamou a atenção, foi quando perguntados se “Os jovens podem mudar o mundo?”, 57% dos entrevistados responderam que acreditavam que os jovens poderiam mudar o mundo e dependendo da escolaridade esse percentual variava de 51% à 65%. Diante disso, remeto-me às possibilidades que o jovem tem no decorrer da sua vida e, de forma gloriosa, este dado é um indicador que quanto mais escolarizado, mais o jovem acredita que pode mudar o mundo. De 2004 até hoje, esta vontade de mudar o mundo vem crescendo, porém, o que é mostrado, principalmente pela mídia, são os altos índices de criminalidade envolvendo adolescentes e jovens, tentando relacionar diretamente a juventude com a violência.

Neste sentido, ao falar de adolescentes e jovens conecto logo esta com a prática de trabalho de um campo democrático que ao longo dos anos vem ganhando uma enorme força e adesões e que tem lutado incansavelmente por políticas públicas de, para e com os jovens também, a que reflete o quanto precisamos investir neste segmento, nas diferentes áreas de forma integrada. O trabalho que é desenvolvido por este campo que defende os direitos de segmentos excluídos, dentre eles a juventude, formado por intelectuais, movimentos, fóruns, redes, grupos de base, ONGs, dentre outros, que por meio de ações afirmativas, pesquisas e diversas atividades estão contribuindo para uma juventude mais saudável e comprometida com as causas sociais e por cidadania ativa.

Percebemos que a partir da organização, seja participando de um grupo na comunidade, seja no envolvimento em um fórum, uma rede social ou em grupos culturais, todo este movimento proporcionou respostas positivas como a criação da Secretaria Nacional da Juventude e o Conselho Nacional de Juventude, como dois grandes marcos da política nacional de juventude, ambos com seus papéis a fim de contribuir e fortalecer institucionalmente a política de juventude.

No entanto, precisamos continuar caminhando para a conquista e garantias dos direitos da juventude através da materialização de tais políticas. Este intenso movimento se observarmos vem ganhando novas adesões e forças por todo o Brasil nos últimos anos, promovendo a criação de espaços governamentais como: secretarias, coordenadorias e superintendências de juventude, os quais refletem a necessidade de se discutir a fundo a temática, em espaços deliberativos. Contudo, não podemos deixar de destacar que há uma variação enorme sobre o entendimento e sensibilidade da grande importância que é acreditar e investir no segmento juvenil, que destaco como uma das maiores prioridades de um governo no que tange fomentar a implementação de políticas públicas para este segmento.

É importante fazer várias reflexões sobre outro grande marco do debate referente à juventude, que foi a realização da 1º Conferência Nacional de Políticas para a Juventude que tinha como objetivo “criar espaços para o dialogo entre o Governo e sociedade civil que servisse como base e subsidio para a consolidação de uma política nacional para a juventude, focalizada em direitos e autonomia por cidadania ativa…” (Castro 2009, p. 25).

Às vésperas da 2º Conferência Nacional de Políticas para a Juventude devemos refletir de forma crítica acerca de quais foram os avanços que tivemos, a partir da 1º Conferência levando em consideração os que já tínhamos almejado antes. Dentro desse contexto e fora dele, tivemos e temos diversos jovens de todas as regiões brasileiras organizados, mobilizados, participando de vários processos em função ou não da conferência. É importante darmos ênfase para a diversidade contida nesse processo que nos permite ter um olhar mais amplo na hora de pautar a política pública que queremos.

No processo de conhecimento e análise sobre compreender o mundo juvenil, os problemas que devemos enfrentar e as políticas públicas e programas sociais que devem ser criados, no sentido de ser uma ferramenta que possa contribuir positivamente nesse contexto. No decorrer do processo surgem diversos pontos a serem dialogados sobre as políticas para a juventude e gostaria de me remeter há um fragmento do artigo Apontamentos sobre Políticas Públicas de Juventude, recém publicado por Carlos Odas** que diz: “Juventude, como uma área de governo, é multidisciplinar, de fato; porém, não se conseguiu ainda, no plano prático, converter o conceito de transversalidade em integração efetiva das ações de áreas distintas”.

Sabemos que existem dificuldades na implementação das políticas, estas quase sempre não correspondem às necessidades e especificidades da juventude como um todo, por ser um segmento que em si possui uma diversidade extraordinária. Volto a afirmar que a transversalidade precisa acontecer de forma integral, pois ao falar em transversalidade precisamos garantir com que a mesma aconteça de fato na prática governamental, para isso é necessário que o diálogo aconteça nas diferentes instâncias governamentais e destas com os movimentos juvenis.

Combinado com o processo de luta por criação de políticas para a juventude está à formação como mecanismo de consolidação da participação, elemento fundamental de uma cidadania ativa. Quando falo de formação levo em consideração prioritariamente dois grandes espaços que estão diretamente ligados a vivência juvenil que são: família e escola.

Construir mecanismos de participação junto à juventude tem se tornado a cada dia um grande desafio, porém se estes espaços, forem potencializados, podem servir de canais de dialogo como ponto de partida e de chegada.

Destaco o papel fundamental de diversas organizações, coletivos, grupos, entre outros, que constroem alternativas de participação deste segmento. Defendo a formação como ponto de partida para que o jovem possa participar com conhecimento e compreensão e assim poder conhecer e dialogar com outros atores. Portanto, precisamos continuar avançando na pauta, no que tange a proposição, monitoramento e implementação e compreender o jovem como cidadão/cidadã é fundamental e principalmente ouvir a juventude no que diz respeito aos seus anseios e necessidades, para que se sinta como sujeito de direitos.

 ——–——————

REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS

Retratos da juventude brasileira: análise de uma pesquisa nacional/ [organização] Helena Wendel Abramo, Pedro Paulo Martoni Branco. – São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2008.

Castro, Mary Garcia; Quebrando mitos: juventude, participação e políticas. Perfil, percepções e recomendações dos participantes da 1º Conferência Nacional de Políticas para a Juventude: resumo executivo / Mary Garcia Castro e Miriam Abromovay. – Brasília: RITLA, 2009.

Apontamentos sobre Políticas Públicas Juventude de Carlos Odas, disponível em: http://www.pt.org.br/portalpt/opinioes/apontamentos-sobre-politicas-publicas-de-juventude-72781.html


* O presente material foi construído a partir de reflexões, análises e proposições feitas no Seminário: Políticas Públicas Juventude em Pauta 2010, promovido pela Ação Educativa e Friedrich Ebert Stiftung em dezembro de 2010, produzido em julho de 2011.

** Foi Secretário Nacional da Juventude do PT (1999/2001), Assessor da Secretária Nacional de Juventude no governo Lula e hoje esta na Subsecretária de Juventude do Distrito Federal. Artigo disponível em: http://www.pt.org.br/portalpt/opinioes/apontamentos-sobre-politicas-publicas-de-juventude-72781.html

 

 

 

4 Comentários
  • por Licy Dias
    em 19 de julho de 2014 às 3:17 PMh

    Muito interessante!

  • por Mateus Godoy Ribeiro
    em 2 de junho de 2014 às 12:52 AMh

    e muito legal

  • por Denis Abreu
    em 30 de maio de 2014 às 9:01 PMh

    Add a comment…MUITO BOM

  • por Lucas Lima
    em 20 de setembro de 2013 às 6:16 PMh

    muito legal me ajudou muito valeu

Deixe seu Comentário


* Nome

* Email (Nao sera publicado)

Site

* Seu Comentario

Current day month ye@r *

Web TV

Redes Sociais

  • Facebook
  • Flickr
  • Phyrtual
  • RSS
  • Twitter
  • Youtube
Tradução

    Translate to:

Facebook

Campanhas

  • panfleto plip frente_final
Histórico
Agência Jovem de Notícias - Copyleft © Permitida a reprodução sem moderação desde que citados o link e a fonte
Viração Educomunicação: Rua Dr. Bitencourt Rodrigues, 88 - Sé - São Paulo 01017-010
tel: 11-3237-4091 - 3115-0142 - e-mail: redacao@agenciajovem.org